Polícia

Audiência de servidor que abusou de adolescentes em MS é adiada para março

O depoimento que aconteceria hoje foi adiado para o dia 30 de Março

Midiamax Publicado em 24/02/2015, às 22h11

None
54ec986c53a7c0e3dc4f86b019bc83a1bd07e62190cb3.jpg

O depoimento que aconteceria hoje foi adiado para o dia 30 de Março

A audiência com o servidor público Jeferson Porto da Silva, de 33 anos, suspeito de aliciar mais de 20 adolescentes para a prática de sexo foi adiada para o dia 30 de março, em Dourados, a 226 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o site Dourados News, o depoimento que estava agendado para esta terça-feira (24), às 16 horas, foi adianto por falta de tempo hábil para o juiz em substituição a Rubens Witzel Filho, analisar o caso. Apesar da mudança da data, as 15 vítimas e 11 testemunhas ainda participarão da audiência.

Jeferson, que trabalhava na secretaria de administração da prefeitura de Dourados, responderá por favorecimento à prostituição infantil, pedofilia, estupro de vulnerável, perigo de contágio venéreo, por ser soropositivo e falsificação de documento particular, já que alterou um exame clínico para convencer os adolescente que não tinha o vírus.

Caso

Depois dois meses de investigação, o servidor acabou preso apontado como aliciador de jovens. O suspeito utilizava um perfil falso no Facebook e também no aplicativo de conversas para celular ‘WhatsApp’, onde se passava por uma mulher chamada ‘Jessika Alessandra’.

Após atrair os adolescentes entre 14 e 16 anos, ele marcava encontros noturnos na casa dele, onde morava com a mãe, que é idosa. Quando chegavam lá e viam que não se tratava de uma mulher, os jovens eram convencidos pelo servidor a manter relações sexuais com ele mediante pagamento de R$ 30. Computadores e celular dele foram apreendidos com vídeos e fotografias.

Portador de HIV, ele ainda falsificou um exames clínicos para convencer as vítimas a manterem relação sem camisinha. No entanto, essa informação é contestada pela defesa, que disse que ele falsificou o documento porque era vítima de preconceito.

Jornal Midiamax