Agora, o presidente Bolsonaro teria a chance de fazer uma boa sucessão, preservar as conquistas que seu governo inegavelmente proporcionou ao Brasil, reconhecendo que seu estilo muito particular o tornou cada vez mais inviável, no campo eleitoral. Passaria bem à história, seria respeitado até, pois o tempo aplaca os ódios, se formulasse uma chapa Tarcísio de Freitas e Teresa Cristina, ou vice-versa, que uniria o Brasil mais respeitável, incluindo o bom e sofrido trabalhador, que hoje sabe perceber o quem é quem e o que representa.

Não teria terceira via, seria o triunfo do bom senso e do patriotismo. Não custa nada sonhar!!!