A Cisjordânia, ocupada por , tornou-se uma frente cada vez mais mortal em um conflito no que se estendeu para além da guerra em Gaza, com ataques israelenses quase diários a aldeias e cidades palestinas que, segundo Israel, visam desenraizar a crescente atividade militante e prevenir novas ataques.

Na manhã desta sexta-feira, 19, as forças de segurança israelenses encerraram uma de dois dias em Tulkarem, uma cidade da Cisjordânia situada ao lado do muro que separa as comunidades palestinas, de um lado, Israel, do outro, e que não é conhecida como foco de militância nos últimos anos, deixando pelo menos oito palestinos mortos.

Os ataques, que duraram mais de 35 horas, ocorreram na cidade e nos seus dois campos de refugiados, Tulkarem e Nour Shams, onde os residentes afirmaram que as forças israelenses destruíram casas e danificaram a infraestrutura, incluindo estradas. Os militares israelenses disseram ter descoberto explosivos, armas e uma fábrica de bombas.

Desde que Israel lançou a sua resposta ao ataque mortal liderado pelo Hamas, em 7 de Outubro passado, 357 palestinos, dos quais 90 eram crianças, foram mortos em toda a Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, segundo as Nações Unidas. Cinco israelenses, incluindo quatro membros das forças de segurança, foram mortos na Cisjordânia no mesmo período, disse a ONU.

Os militantes na Cisjordânia são menos numerosos do que em Gaza e não estão tão bem armados. O Hamas tem uma posição mais tênue ali. Mas Israel diz ter identificado um nível mais elevado de atividade militante na região e que os seus ataques visam tanto impedir ataques iminentes como enviar uma mensagem de que irá reprimir duramente tal atividade. Alguns analistas, no entanto, dizem que a repressão corre o risco de ter o efeito oposto, ao alimentar a militância. Fonte: Dow Jones Newswires.