O alto funcionário do Hezbollah e membro do parlamento, Hassan Fadlallah, disse nesta quinta-feira (15) que enfrentará represálias depois que dois ataques ao sul do Líbano na quarta-feira (14) mataram mais de 10 civis, incluindo crianças.

“O inimigo (Israel) vai pagar o por esses crimes”, disse Fadlallah à Reuters quando perguntado sobre a reação do poderoso grupo armado apoiado pelo Irã ao dia mais mortal para os civis no Líbano desde que as hostilidades começaram ao longo de sua fronteira sul.

O Hezbollah tem trocado fogo há mais de quatro meses com os militares israelenses em apoio ao seu aliado palestino, o Hamas, que realizou um ataque mortal a Israel em 7 de outubro que foi recebido com um ataque israelense terrestre, aéreo e marítimo a Gaza.

O Hezbollah diz que seus foguetes também estão dissuadindo Israel de uma ofensiva mais ampla contra o Líbano.

Os ataques israelenses na quarta-feira (14) vieram depois que bombardeios em uma base militar no norte de Israel mataram um soldado. O Hezbollah não reivindicou a responsabilidade por esse ataque.

Fadlallah disse que o Hezbollah tinha um “direito legítimo de defender o seu povo e não vai hesitar em fazer o que é necessário para protegê-lo” e insistiu que Israel deve parar a sua guerra em Gaza.

O primeiro-ministro interino do Líbano, Najib Mikati, também instruiu o ministro das Relações Exteriores, Abdallah Bou Habib, a registrar uma nova queixa no Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre os ataques que causaram as baixas de quarta-feira (14).