O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump disse nesta terça-feira, 18, que recebeu uma carta do Departamento de Justiça informando que ele é o alvo da investigação sobre os esforços para anular a eleição presidencial de 2020 que resultou no ataque de seus apoiadores ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

Trump escreveu nas redes sociais que o procurador especial Jack Smith, o promotor que lidera a investigação federal, lhe enviou uma carta no domingo, uma indicação de que em breve ele poderá ser acusado pelos promotores. A carta e a possível acusação colocam Trump em um perigo legal sem precedentes, enquanto ele faz campanha como o favorito para ser o candidato republicano à presidência em 2024.

A carta foi a segunda que Trump recebeu de Jack Smith. A primeira, em junho, estava relacionada ao inquérito sobre o manuseio de material incorreto de documentos secretos depois que ele havia deixado o cargo e sua suposta obstrução aos esforços para recuperá-los. Dias depois que a carta se tornou pública, Trump recebeu de 37 acusações criminais.

E em março, um grande júri de Manhattan indiciou Trump por acusações estaduais, alegando que ele falsificou registros relacionados a pagamentos clandestinos à atriz pornô Stormy Daniels durante a campanha presidencial de 2016.

“Nada semelhante aconteceu em nosso país antes ou nem perto”, escreveu Trump em um longo post em sua plataforma de mídia social, Truth Social, no qual chamou Smith de “transtornado”. Ele escreveu que recebeu quatro dias para se apresentar a um grande júri, o que deve recusar.

Uma carta-alvo dos promotores significa que os investigadores reuniram evidências suficientes que ligam o destinatário a um crime – mas não significa necessariamente que as acusações serão feitas. Frequentemente, essas cartas convidam o alvo a comparecer perante um grande júri para apresentar provas. Um conselheiro de Trump disse que ele não planeja comparecer e testemunhar.

O ex-presidente não indicou quais poderiam ser as acusações contra ele e não está claro se a carta-alvo citava as acusações

A investigação examinou uma série de esquemas que Trump e seus aliados usaram para tentar evitar a derrota, incluindo os eventos em torno do motim de 6 de janeiro de 2021 por seus apoiadores no Capitólio.

O ex-presidente passou semanas após a eleição de 2020 insistindo publicamente que havia vencido e procurando maneiras de permanecer no poder, a certa altura considerando se deveria usar o aparato do governo para apreender urnas. Por fim, ele encorajou uma multidão em um comício perto da Casa Branca a marchar até o Capitólio enquanto a vitória eleitoral de Joe Biden estava sendo certificada. Membros da multidão invadiram o prédio, alguns gritando “Enforquem Mike Pence!” e outros procurando a então presidente da Câmara Nancy Pelosi.

Grandes júris federais em Washington têm ouvido evidências na investigação criminal sobre os esforços de Trump para reverter sua derrota eleitoral. Isso sugere que qualquer acusação seria julgada na capital do país, onde o Departamento de Justiça ganhou confissões ou condenações em centenas de casos relacionados ao ataque ao Capitólio.