A OceanGate Expeditions, empresa responsável pelo submersível Titan, que implodiu a caminho dos restos do Titanic deixando cinco pessoas mortas, anunciou que “suspendeu todas as operações de exploração e comerciais”. A empresa, com sede em Everett, no Estado de Washington (EUA), fez o anúncio no topo de seu site, sem dar mais detalhes sobre o encerramento das atividades. Não ficou claro quando a mensagem foi adicionada ao site.

O site ainda continha uma foto do naufrágio do Titanic junto com o slogan “explore o naufrágio mais famoso do mundo”, mas não era possível reservar uma viagem e alguns dos outros recursos do site estavam fora de funcionamento. Não houve mais detalhes da OceanGate, que não respondeu imediatamente a um e-mail enviado pelo The New York Times. Um porta-voz da empresa, Andrew Von Kerens, disse na quinta-feira, 7, que a Ocean Gate não estava divulgando nenhuma informação adicional.

A bordo do submersível que implodiu estavam Stockton Rush, 61, fundador e CEO da OceanGate Expeditions, que pilotava a embarcação; Hamish Harding, 58, empresário e explorador britânico; Paul-Henri Nargeolet, 77, especialista marítimo francês; Shahzada Dawood, 48, empresário paquistanês britânico; e o filho de Dawood, Suleman, 19.

Eles partiram no navio em 18 de junho para ver os restos do Titanic a 4 mil metros abaixo do mar, mas menos de duas horas após o mergulho, a embarcação perdeu contato com um navio de expedição canadense na superfície. Dias depois, destroços da embarcação foram encontrados no fundo do oceano. A descoberta dos destroços, incluindo o cone da cauda do Titã e outras peças, sugeriu uma “implosão catastrófica” sem sobreviventes, de acordo com a Guarda Costeira dos EUA.

Especialistas jurídicos disseram esperar que os familiares dos mortos abram processos contra a OceanGate e também contra as empresas que forneceram peças. Mas se o OceanGate fechar totalmente, isso reduz as opções, disse Richard Daynard, um distinto professor da Northeastern University School of Law. “Não há praticamente nenhuma chance de recuperar os danos” da empresa se ela não estiver mais operando, disse ele.

Além disso, os passageiros provavelmente foram solicitados a assinar termos de responsabilidade. Um dos termos, assinado por uma pessoa que planejava viajar em uma expedição da OceanGate afirmou que os passageiros do Titan podem sofrer lesões físicas, incapacidade, trauma emocional e morte.

A empresa cobrou US$ 250 mil (o equivalente a R$ 1,2 milhão) de cada passageiro para participar da viagem. O Conselho de Segurança de Transporte do Canadá está conduzindo uma investigação de segurança sobre a nave-mãe de bandeira canadense do Titan, o Polar Prince. Funcionários do conselho de segurança não responderam aos pedidos de comentários enviados por e-mail na quinta-feira.