O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, visitou neste domingo a Faixa de Gaza pela primeira vez desde o início da guerra e disse que deseja uma vitória decisiva contra o Hamas. “Temos três objetivos para esta guerra: eliminar o Hamas, devolver todos os nossos sequestrados e garantir que Gaza não se torne novamente uma ameaça ao Estado de Israel”, disse Netanyahu. “Continuamos até o fim, até a vitória. Nada nos impedirá.”

Durante a sua viagem, Netanyahu encontrou-se com comandantes e soldados israelenses em Gaza e visitou parte da vasta rede de túneis subterrâneos utilizados pelo Hamas para transportar e esconder pessoas e recursos na parte norte. Israel prometeu retomar a sua luta contra o Hamas assim que terminar a trégua em curso, que visa libertar os reféns detidos em Gaza.

Mais cedo, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que Israel tem o direito de se defender e está disposto a prolongar a pausa temporária nos combates em Gaza para além dos quatro dias planeados, desde que o Hamas continue a libertar reféns. Em entrevista na CNN, ele afirmou que “a bola está com o Hamas” se eles quiserem ver uma prorrogação da pausa nos combates.

Sullivan foi questionado se o presidente Biden apoiaria Israel na retomada de seu esforço militar contra o Hamas se o grupo parasse de libertar reféns. Ele afirmou que Biden disse que “Israel tem o direito, na verdade a responsabilidade, de se defender contra um inimigo terrorista implacável”. Sullivan acrescentou que quaisquer operações militares “devem ser conduzidas de uma forma que proteja os civis, que distinga os terroristas dos civis e que garanta que esses civis tenham locais seguros para estar e acesso à ajuda humanitária que salva vidas”.

O irmão de uma mulher israelense detida em Gaza ainda acusa o Hamas de violar os termos do acordo com Israel ao não libertar a mulher junto com sua filha de 13 anos. Hila Rotem Shoshani, 13 anos, foi libertada no do sábado, mas a sua mãe, Raaya Rotem, permanece em Gaza. Ele afirmou que o Hamas não cumpriu um acordo para não separar as mães dos seus filhos.

Saiba Mais