O primeiro-ministro de , Benjamin Netanyahu, afirmou nesta terça-feira, 7, que, no momento, não haverá cessar-fogo na guerra contra o Hamas, já que isso, no entender dele, seria se render ao rival. “Não acredito que haverá um cessar-fogo generalizado”, afirmou. De acordo com ele, uma condição para que tal medida ocorra é que os reféns que o grupo mantém sejam liberados. A declaração foi dada em entrevista à ABC News

Netanyahu também disse acreditar que Israel terá, por um período indefinido, a responsabilidade geral pela segurança da Faixa de Gaza. O líder justificou que a medida se deve a “porque vimos o que acontece quando não a temos. Quando não temos essa responsabilidade pela segurança, o que temos é a erupção do terror do Hamas numa escala que não poderíamos imaginar”.

Sobre as responsabilidades de seu governo nos ataques terroristas de 7 de outubro, Netanyahu afirmou que “a primeira tarefa do governo é proteger o povo e, claramente, não cumprimos isso. Tivemos um grande, grande revés”. Questionado se acredita que deveria assumir alguma responsabilidade, o primeiro-ministro respondeu: “claro, isso não é uma questão. Será resolvido depois da guerra. Acho que haverá tempo para alocar isso”.