Pelo menos 58 pessoas estão desaparecidas e outras 46 morreram no México, com a passagem do furacão Otis, que arrasou o litoral do estado de Guerrero e provocou cenas de destruição na cidade turística de Acapulco. Um dos resorts devastados pelo fenômeno foi o Emporio, que ganhou fama a partir de 1977, com um episódio do seriado mexicano Chaves gravado no local.

O furacão que chegou na madrugada da última quarta-feira, 25, como de categoria 5, a mais alta na escala Saffir-Simpson, abalou a cidade de 780 mil habitantes, que vive do setor turístico e que ficou praticamente em ruínas. Imagens nas redes sociais mostram hotéis e resorts completamente destruídos, inclusive o Emporio. O governo do México contabilizou pelo menos 220 mil construções danificadas.

Otis se intensificou em poucas horas, passando de uma tempestade tropical para o furacão mais forte, pegando muitos de surpresa. Algumas rajadas de vento chegaram a 270km/h. Muitos especialistas atribuíram a inesperada explosão de força aos efeitos das mudanças climáticas, com o aquecimento dos mares servindo de combustível para tempestades como a de Otis.

Uma semana depois, as autoridades ainda trabalham arduamente para restaurar a ordem no centro turístico de Acapulco, cortando árvores em frente a arranha-céus e restaurando a energia, além da busca pelos desaparecidos. A maioria dos moradores espera que o número de mortos aumente, com base na lenta resposta do governo e na devastação geral.

Autoridades militares, de segurança pública e forenses disseram à AP que não estavam autorizadas a fornecer detalhes sobre a busca por corpos. Enquanto isso, milhares de familiares em pânico procuravam desesperadamente entes queridos desaparecidos

O presidente Andrés Manuel López Obrador enviou mais de 10 mil soldados para lidar com as consequências do furacão, juntamente com mil funcionários do governo para determinar as necessidades

Após a tempestade, árvores e escombros bloquearam a principal durante um dia, e a ausência de sinal de celular deixou os moradores isolados. Sem opções, muitos pegaram bens básicos como alimentos e papel higiênico de lojas saqueadas e canalizaram de postos de gasolina. Aqueles com doenças crônicas lutaram para encontrar os remédios de que precisavam para sobreviver.

Moradores que procuravam comida em armazéns no sábado disseram que esperaram horas sob o sol escaldante por comida e água de um caminhão de ajuda do governo, apenas para descobrir que não havia o suficiente para eles.