Mais batalhas ocorreram em Gaza neste domingo, 10, enquanto indica estar disposto a lutar meses ou mais para derrotar os líderes do território comandado pelo Hamas. O primeiro-ministro do Catar, Tamim bin Hamad Al Thani, importante mediador do conflito, disse em um fórum na capital Doha que os esforços para parar a guerra e libertar todos os reféns continuam, mas “infelizmente, não estamos vendo a mesma vontade que tínhamos visto nas semanas anteriores”.

As forças israelenses enfrentam forte resistência, inclusive no norte de Gaza, onde bairros foram arrasados por ataques aéreos e onde tropas terrestres operam há mais de seis semanas.

Um canal de televisão de Israel transmitiu imagens mostrando dezenas de detidos apenas de cueca e com as mãos para cima. Vários seguravam rifles de assalto acima de suas cabeças, e um homem avançou e colocou uma no chão.

Outros vídeos mostraram grupos de homens desarmados detidos em condições semelhantes, sem roupas, amarrados e com os olhos vendados.

Os detidos de um grupo que foi libertado no sábado disseram à Associated Press que foram espancados, e que lhes foi negado comida e água .

O porta-voz militar israelense, Daniel Hagari, disse que as prisões ocorreram em dois redutos do Hamas, Jabaliya e Shijaiyah, e que as pessoas estão despidas para ter certeza de que não estão escondendo explosivos.

Aqueles que se acredita serem membros do Hamas são levados para investigação, enquanto outros são orientados a seguir para o sul

Moradores disseram que ainda ocorriam intensos combates no bairro de Shijaiyah, na cidade de Gaza e no campo de refugiados de Jabaliya, uma densa área urbana que abriga famílias palestinas que fugiram ou foram expulsas do que hoje é Israel durante a guerra de 1948 que cercou sua criação.

Combates intensos também estavam acontecendo dentro e ao redor da cidade de Khan Younis, no sul. (Fonte: Associated Press)