Líderes europeus se reúnem com presidente ucraniano; Rússia avança em cerco

A notícia da reunião planejada veio quando autoridades ucranianas disseram que a Rússia obteve novos ganhos em seus esforços para cercar e capturar a cidade de Severodonetsk
| 12/06/2022
- 22:50
Líderes europeus se reúnem com presidente ucraniano; Rússia avança em cerco

Os líderes da França, Alemanha e Itália planejam se reunir com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, em Kiev nesta semana. A Rússia está obtendo ganhos no leste do e autoridades ucranianas buscam armas de países ocidentais com urgência para manter as forças russas afastadas.

O presidente da França, Emmanuel Macron, o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e o primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, planejam visitar a capital ucraniana na quinta-feira, disseram duas autoridades europeias, que alertaram que os planos ainda podem mudar. A viagem seria a primeira para a Ucrânia desde o início da guerra para os três líderes ocidentais.

A notícia da reunião planejada veio quando autoridades ucranianas disseram que a Rússia obteve novos ganhos em seus esforços para cercar e capturar a cidade de Severodonetsk, o que levaria Moscou significativamente mais perto de seu objetivo de controlar a área de Donbas, no leste do país, seu principal alvo recentemente na guerra.

Serhiy Haidai, governador ucraniano da região de Luhansk, que inclui Severodonetsk, disse neste domingo que os russos destruíram uma segunda ponte que liga Severodonetsk a Lysychansk, um reduto ucraniano do outro lado do rio Siverodonetsk. As forças russas também bombardearam uma fábrica de produtos químicos na área industrial da cidade, onde civis se abrigaram em bunkers, disse Haidai.

Autoridades ucranianas alertam que uma derrota na região de Donbas abriria caminho para a Rússia seguir para outras partes da Ucrânia e potencialmente voltar para a capital, Kiev. Já Moscou se moveu para solidificar seu controle administrativo dos territórios ocupados. Reconheceu a independência das regiões separatistas em Donbas e começou a emitir passaportes russos para algumas partes do país antes dos referendos esperados que levariam à anexação de território à Rússia.

No domingo, Haidai disse que as forças ucranianas permaneciam no controle da parte de Severodonetsk que inclui a fábrica de produtos químicos Azot e negou que da região estivessem presos lá dentro. Rodion Miroshnik, um oficial da região separatista pró-Rússia que se autodenomina República Popular de Luhansk, fez essa afirmação no sábado, dizendo na plataforma de mídia social Telegram que centenas de combatentes e civis ucranianos estavam presos em bunkers embaixo da usina.

As reivindicações concorrentes surgiram quando as forças russas continuaram seus esforços para tomar a cidade, o maior posto avançado remanescente em Luhansk não capturado por Moscou.

"Ninguém está preso na usina", disse Haidai na televisão ucraniana no domingo. "Não há batalhas no local da usina, apenas na área próxima. A única coisa é que eles constantemente bombardeiam essa usina."

Por várias semanas, Moscou despejou recursos para tomar Severodonetsk, a capital administrativa da região de Luhansk, que junto com Donetsk compõe a área de Donbas. A maioria dos edifícios da cidade já foi destruída, e a maioria dos moradores fugiu. Mas a Ucrânia conseguiu manter a parte sul da cidade, de acordo com o Ministério da Defesa britânico.

Veja também

Socorristas têm usado drones e helicópteros para procurar vítimas

Últimas notícias