Alemanha intensifica apelos por economia de energia à medida que Rússia corta gás

A Gazprom anunciou na terça-feira, 14, que estava cortando em 40% os fluxos de gás para a Alemanha através do gasoduto submarino.
| 16/06/2022
- 11:35
Alemanha intensifica apelos por economia de energia à medida que Rússia corta gás
Botijão de 13 quilos de gás de cozinha (Foto: Marcello Casal Jr)

O vice-chanceler da Alemanha, Robert Habeck, fez um apelo para que os cidadãos economizem energia, após a companhia russa Gazprom anunciar cortes significativos nas entregas de gás natural através do gasoduto submarino Nord Stream 1.

A Gazprom anunciou na terça-feira, 14, que estava cortando em 40% os fluxos de gás para a Alemanha através do gasoduto submarino. Um dia depois anunciou um novo corte que eleva a redução geral para cerca de 60%.

Em ambos os casos, a estatal russa citou um problema técnico, alegando que sanções canadenses motivadas pela guerra na impediram a parceira alemã Siemens Energy de entregar equipamentos que haviam sido enviados para revisão. O governo alemão rejeitou esse raciocínio, dizendo que a manutenção não deveria ter sido um problema até o outono, e a decisão russa foi uma jogada política para semear incerteza e elevar os preços.

O presidente russo, Vladimir Putin, "está fazendo o que se temia desde o início: está reduzindo o volume de gás, não de uma só vez, mas passo a passo", disse o vice-chanceler alemão em um vídeo postado no Twitter. Ele apontou para os movimentos russos anteriores para cortar suprimentos para a Bulgária, Dinamarca e outros países.

A redução nos fluxos de gás ocorre no momento em que a Alemanha e o resto da Europa tentam reduzir sua dependência das importações de energia da Rússia. A Alemanha, que tem a maior economia da Europa, obtém aproximadamente 35% de gás russo para alimentar a indústria e gerar eletricidade.

A notícia das reduções fez com que os preços do gás natural de curto prazo subissem acentuadamente na Europa. Os preços à vista para o mês seguinte saltaram 13% nesta quinta-feira, para 139,10 euros por quilowatt-hora (kWh), acumulando um avanço de 40% desde segunda-feira.

Habeck, que também é ministro da Economia, já havia lançado uma campanha na semana passada para que as pessoas economizem energia. Após os anúncios da Gazprom, ele martelou a mensagem no vídeo de quarta-feira à noite.

"O gás está chegando à Europa - não temos problemas de abastecimento, mas os volumes devem ser adquiridos no mercado e ficará mais caro", disse Habeck. Ele afirmou que o governo está preparado e observou que promulgou uma legislação exigindo que o armazenamento de gás seja preenchido.

Habeck elogiou a disposição dos alemães e das empresas de economizar energia e armazenar gás.

"Agora é a hora de fazê-lo", disse ele. "Cada quilowatt-hora ajuda nessa situação. É uma situação séria, mas não uma situação que ponha em risco a do abastecimento na Alemanha".

Veja também

No entanto, Ancara afirmou que continuará "defendendo os direitos dos palestinos" apesar da decisão.

Últimas notícias