Mundo

Comediante e atual presidente vão disputar segundo turno na Ucrânia

*Por G1 O comediante Volodymyr Zelensky e o atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, devem disputar o segundo turno das eleições do país no dia 21 de abril, apontam as pesquisas de boca de urna divulgadas neste domingo (31). Zelensky, iniciante na política, ficou com 30,1% dos votos, enquanto Poroshenko recebeu 18,5%. Em terceiro lugar […]

Da Redação Publicado em 31/03/2019, às 15h25

O atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, deve disputar o segundo turno das eleições no dia 21 de abril contra Volodymyr Zelensky (à direita). — Foto: Fotos: Associated Press (Efrem Lukatsky e Emilio Morenatti)
O atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, deve disputar o segundo turno das eleições no dia 21 de abril contra Volodymyr Zelensky (à direita). — Foto: Fotos: Associated Press (Efrem Lukatsky e Emilio Morenatti) - O atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, deve disputar o segundo turno das eleições no dia 21 de abril contra Volodymyr Zelensky (à direita). — Foto: Fotos: Associated Press (Efrem Lukatsky e Emilio Morenatti)

*Por G1

O comediante Volodymyr Zelensky e o atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, devem disputar o segundo turno das eleições do país no dia 21 de abril, apontam as pesquisas de boca de urna divulgadas neste domingo (31). Zelensky, iniciante na política, ficou com 30,1% dos votos, enquanto Poroshenko recebeu 18,5%.

Em terceiro lugar ficou a ex-primeira ministra do país, Yulia Timoshenko, com 14% dos votos.

As informações são das agências de notícias Reuters, France Presse e EFE.

Zelensky, que liderava as pesquisas de opinião no país, tinha expectativa vencer ainda no primeiro turno, com discurso antissistema e anticorrupção – tática muito semelhante à do italiano Beppe Grillo, comediante fundador do Movimento Cinco Estrelas, um dos partidos da coalizão que governa a Itália.

Já Poroshenko aposta em uma plataforma mais conservadora e nacionalista para conseguir se reeleger, com o slogan “Forças Armadas! Língua! Fé!”. Segundo a agência EFE, pesa contra o atual presidente uma série de denúncias de corrupção e uma descumprida promessa de vender quase todos seus ativos assim que assumisse a Presidência na campanha de 2014.

A terceira colocada, a ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, é uma ativista política que liderou movimentos pró-Europa nas últimas décadas. Com discursos duros contra a corrupção, ela chegou inclusive a liderar com folga as pesquisas, mas despencou à medida em que perdeu votos para Zelensky.

Jornal Midiamax