Mundo

Youtuber mata namorado com tiro após tentativa de vídeo que deu errado

Com um tiro no peito durante uma gravação

Diego Alves Publicado em 28/06/2017, às 23h28

None

Com um tiro no peito durante uma gravação

Uma jovem de 19 anos foi presa após matar seu namorado com um tiro no peito, durante a gravação de um vídeo para o Youtube, em Minnesota, nos Estados Unidos.Youtuber mata namorado com tiro após tentativa de vídeo que deu errado

Monalisa Perez foi detida na noite de segunda-feira, e indiciada por homicídio nesta quarta-feira. Ela pode pegar uma pena de até 10 anos de prisão. Seu namorado, Pedro Ruiz, tinha 22 anos. 

A jovem ligou para a polícia, na segunda, para avisar que tinha atirado acidentalmente no peito de Pedro. Quando os oficiais chegaram lá, o jovem ainda estava vivo, mas ele morreu pouco depois no local.

Monalisa contou à polícia que eles estavam gravando um vídeo em que ela atirava em um livro, segurado pelo namorado, em frente ao seu peito. A ideia teria sido de Pedro, que acreditava que o livro ia parar a bala.

Eles tinham uma filha de três anos, e a jovem está grávida de outra criança.

Na segunda-feira, ela publicou uma mensagem no Twitter contando que os dois planejavam filmar “um dos vídeos mais perigosos de todos os tempos”, e ressaltando que a ideia era dele.

Os dois criaram um canal no Youtube em março para contar sua rotina. Os vídeos, geralmente, continham piadas e desafios. O canal tem pouco mais de 300 inscritos.

Monalisa contou à polícia que eles haviam testado a ideia, e que a bala não atravessou o livro. Mas, na hora da filmagem, Pedro teria levado um livro diferente. Duas câmeras filmaram a cena, e foram entregues para a polícia.

Claudia Ruiz, tia de Pedro, contou ao canal de TV “WDAY” que o sobrinho tinha lhe contado sua ideia, falando que o objetivo deles era ganhar mais seguidores para ficarem famosos.

“Ele me contou, e eu disse ‘Não faça isso. Não fala isso. Por que você vai usar uma arma? Por que?’. Eles estavam apaixonados. Foi uma pegadinha que deu errado”, afirmou.

Jornal Midiamax