Protestos são contra reforma na legislação trabalhista

Seis das oito refinarias de combustível da França estão paradas, enquanto as outras duas funcionam a meio gás, devido à onda de protestos e de greve em todo o país, contra a reforma na legislação trabalhista, promovida pelo presidente Françoise Hollande. O jornal português Diário de Notícias afirma que 188 postos estão totalmente fora de funcionamento.

De acordo com o secretário de Transportes da França, Alain Vidalies, 1500 dos 12 mil postos de abastecimento do país estão ‘fechados ou em grandes dificuldades’. A expectativa é de que, nos próximos dias, a onda de protestos avance ainda mais, paralisando mais postos e refinarias. Os movimentos sociais envolvidos nas manifestações já indicaram que não devem parar se o governo não desistir da reforma.

Os protestos têm varrido a França nos últimos meses, desde que no dia 31 de março cerca de 1,2 milhão de pessoas foram às ruas. As reformas do governo Hollande incluem mudanças na carga horária de trabalho, no pagamento de horas extra e na idade para aposentadoria. Na tarde desta terça-feira (24), os trabalhadores do porto de Havre, responsável por 40% das importações do país, votaram a favor da adesão à greve.