Kadhim Al-Jabouri quer que Bush e Blair sejam processados

O iraquiano Kadhim Sharif Al-Jabouri, que se celebrizou por estar presente na foto que mostra a derrubada da estátua de Saddam Hussein em Bagdá em abril de 2003, diz que se arrepende de ter participado do ato e que “daria tudo para tê-lo de volta”.

Jabouri aparece com uma marreta na mão, golpeando a estátua em processo de retirada. De acordo com reportagem do jornal português Diário de Notícias, ele era mecânico e chegou a consertar veículos da família Hussein, mas foi mantido como preso político em outra ocasião.

Na época da invasão norte-americana e queda do ditador, Khadim acreditou que presenciava o início de uma nova era, onde as coisas iriam melhorar. “Agora, quando passo pela estátua, sinto vergonha”, disse em entrevista ao Washington Post.

“Gostaria de colocá-la de volta no lugar, reconstruí-la, mas tenho medo de ser morto”, acrescenta. Ele acredita que a culpa pelo aumento da violência em seu país, em cujo território há áreas controladas pelo Estado Islâmico, foi da invasão coordenada por George W. Bush, então presidente dos EUA, e Tony Blair, primeiro-ministro britânico à época.

“Eu me arrependo de ter atacado a estátua”, afirmou à agência Reuters. “O Saddam matava pessoas, mas não como este governo”. Ele alega que, apesar da perseguição a opositores, o governo de Hussein garantia a paz na região. Sobre Blair e Bush, diz que “deveriam ser levados a julgamento por terem arruinado o com suas mentiras. Não havia armas de destruição em massa”.