A Justiça do Rio de Janeiro recusou a denúncia de importunação sexual contra os ex-BBBs MC Guimê e Cara de Sapato, um ano depois deles terem sido expulsos do reality show acusados de assediarem a intercambista mexicana Dania Méndez, durante o confinamento.

De acordo com o colunista Lucas Pasin, do UOL, o juiz Aylton Cardoso Vasconcellos não aceitou a acusação protocolada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro porque a vítima não teria sido escutada. Além disso, o magistrado teria discordado da delegada responsável por investigar o caso e afirmou que as imagens das câmeras do BBB 24 não eram o suficiente para provar o crime.

Conforme o juiz, a mexicana Dania Méndez deveria ter sido ouvida pela Justiça antes da ação ser movida. Em outro ponto, o documento frisa que a modelo teria dito ao MP que não havia se sentido “sexualmente ofendida” por Cara de Sapato e MC Guimê, além de ter deixado claro que não gostaria que os dois fossem processados.

Diante dos fatos, o magistrado optou pela recusa da denúncia. Vale lembrar que, mesmo com a decisão do juiz, o Ministério Público do Rio de Janeiro ainda pode recorrer da sentença.

O caso

O lutador Antônio Cara de Sapato e o funkeiro MC Guimê foram expulsos do BBB 23, em março de 2023, após serem acusados de assediarem Dania Méndez, mexicana convidada para participar do programa por alguns dias.

Em uma das festas, MC Guimê passou a mão nas coxas da intercambista, que as afastou logo em seguida, expondo sua desaprovação. Cara de Sapato, por sua vez, segurou o corpo da mexicana por debaixo do edredom e em outro momento roubou um beijo dela.

Na época, o apresentador Tadeu Schmidt afirmou que os dois haviam desrespeitado as regras do programa, depois que a Delegacia de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá abriu uma investigação por importunação sexual.