MidiaMAIS / Comportamento

Juntas há 19 anos: reconhecimento da união homoafetiva é celebração de amor e direitos para Mari e Ju

Há exatos 10 anos, o STF reconhecia a união entre pessoas do mesmo sexo

Dândara Genelhú Publicado em 05/05/2021, às 18h00

Uniões estáveis entre pessoas do mesmo gênero são reconhecidas desde 2001 pelo STF.
Uniões estáveis entre pessoas do mesmo gênero são reconhecidas desde 2001 pelo STF. - Foto: Leitor Midiamax.

Há 10 anos a comunidade LGBTQI+ conquistava mais uma vitória. Em 5 de março de 2011 o STF (Supremo Tribunal de Justiça) reconheceu a união estável homoafetiva. Juntas há 19 anos, para Mari e Ju a oficialização é uma forma de celebrar direitos e amor.

Assim, a união estável vai muito além de papéis assinados. Para Jurema de Souza, carinhosamente chamada pela esposa de Ju, “significa ter reconhecimento da sociedade em que vivemos que também temos os mesmos direitos”. 

O relacionamento com Marinez Paiva começou nove anos antes da decisão do STF. Quando tinha acabado de sair de um relacionamento, Ju conheceu Mari. A história de amor começou em um encontro formal, enquanto as duas trabalhavam.

“Na época fui convidada a fazer um desfile e ela trabalhava na Hering, em uma das lojas que fui provar a roupa, para o desfile”, lembra feliz. Com uma conexão muito forte, as duas resolveram morar juntas em pouco mais de dois meses de namoro.

Família da Ju, com a esposa e filha dela.

“Precisei viajar a trabalho e ela ficou cuidando da minha filha. E assim foi durante longos 16 anos”, lembra Ju. Cheia de amor, a esteticista define a história das duas como “linda”.

Assim, quando a filha foi morar com o marido, Ju decidiu que era hora de oficializar na justiça o relacionamento com Mari. Ela explica que a decisão foi tomada principalmente para “deixar ela [Mari] amparada caso algo me aconteça”.

Em janeiro de 2019, oito anos após o reconhecimento do STF e cerca de 17 anos juntas, Mari e Ju se casaram. “Liberdade de escolher com quem quero dividir minha vida”, define Ju sobre o que significa a união homoafetiva para ela.

Uniões homoafetivas em MS

Mesmo com o direito de oficializar a forma de amor, em Mato Grosso do Sul os registros caíram em 18%. O levantamento foi realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2019.

De acordo com os dados, 136 casamentos foram realizados naquele ano, o último em que foram levantadas as informações. Assim, 101 deles foram casamentos entre mulheres e 35 foram entre homens.

Já em 2018 foram 56 casamentos entre homens e 110 entre mulheres. Neste ano, foram 166 uniões homoafetivas no total em todo o MS.

Jornal Midiamax