MidiaMAIS / Comportamento

Bacurau: jornalista casado que tinha dez amantes é condenado a indenizar uma delas

Valor estabelecido pela Justiça é de R$ 10 mil

João Ramos Publicado em 31/08/2021, às 10h12

Um dos memes da época em que a história viralizou
Um dos memes da época em que a história viralizou - (Foto: Reprodução)

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um jornalista casado e que se relacionava com pelo menos outras dez mulheres que não sabiam que ele tinha uma esposa. Ele agora terá que indenizar uma de suas ex-amantes.

A ex-amante que receberá o pagamento alegou ter sofrido danos morais devido à exposição do caso nas redes sociais, além de problemas psicológicos graves.

De acordo com o G1, o valor foi determinado pelo juiz de primeira instância em junho e manteve-se em R$ 10 mil, mas ainda cabe recurso.

Viralizou

Em 2019, uma das mulheres com quem o jornalista se relacionava compartilhou em suas redes sociais a descoberta de que ele a enganava, assim como as outras. A história viralizou no Twitter e a tag #Bacurau11 foi criada para comentar o assunto, já que ele teria assistido ao filme Bacurau várias vezes no cinema, com cada uma das mulheres. 

Segundo a ex-amante, o relacionamento com o jornalista começou em julho de 2019 e ele afirmava se tratar de um relacionamento monogâmico, "com exclusividade e confiança". A mulher ainda contou que eles haviam optado pelo sexo sem o uso de contraceptivos por esse motivo. 

Danos morais

O réu afirmou no processo que a mulher teria a intenção de o prejudicar e, por isso, também tinha direito a uma indenização pelas ações da ex-amante. Ele alegou que nunca prometeu convivência de fidelidade tendo apenas consentido com relações casuais. 

Para o  relator do caso, o dano moral ficou comprovado devido à exposição do caso na internet e ao abalo provocado na mulher.

"O dano moral é aquele que traz como consequência a ofensa à honra, ao afeto, à liberdade, à profissão, ao respeito, à psique, à saúde, ao nome, ao crédito, ao bem estar e à vida", escreveu o relator ao confirmar a condenação de R$ 10 mil.

Jornal Midiamax