MidiaMAIS / Comportamento

Com mais de 15 mil membros, grupo quer provar que futebol é, sim, ‘paixão estadual’

Grupo surgiu com objetivo de divulgar modalidade no Estado

Guilherme Cavalcante Publicado em 17/01/2018, às 13h46

None

Grupo surgiu com objetivo de divulgar modalidade no Estado

Começa nesta quarta-feira (17) a primeira rodada do Capeonato Sul-Matogrossense de Futebol 2018, no qual 10 times de locais, dentre eles Operário-MS, Águia Negra, Sete, Comercial, Novo e Corumbaense, disputarão o título de campeão estadual. Porém, mesmo com a restrição para utilização de estádios, inclusive o Morenão, fica uma pergunta: quem são os apaixonados por futebol em MS que vão acompanhar todas as rodadas, mesmo que ‘de casa’?

A resposta pode estar em uma comunidade do Facebook. Com cerca de 15 mil membros, o grupo ‘FutMS – Futebol de Mato grosso do Sul’ é a prova de que há, sim, quem considere os times do Estado como paixão. Criado pelo webdesigner e fotógrafo Valcir Carvalho, de 27 anos, o grupo existe desde abril de 2016 e é, na verdade, resultado do esforço do rapaz em divulgar o esporte em Mato Grosso do Sul.

Com mais de 15 mil membros, grupo quer provar que futebol é, sim, 'paixão estadual'

“Eu sempre gostei de futebol, mas não tenho um time favorito. Meu lance mesmo é divulgar o esporte. Até os caras que são mais fanáticos que eu, brincam que caí de para-quedas. Mas, se eu caí, foi para ajudar”, brinca. 

E ajuda! Atualmente, dos cerca de 15 mil mebros, 12 mil interagem com frequência nas postagens, um trabalho gradual que deu certo, mesmo quando não tem jogo no estádio. A propósito: a estratégia para lotar o grupo com milhares de fãs do futebol sul-mato-grossense foi bem inteligente. Valcir e Samuel pesquisaram pelos presidentes de torcidas organizadas, adicionaram em seus perfis pessoais e na sequência convidaram-nos para o grupo. “No mesmo período eu aprendi a mexer no Photoshop, comecei a fazer umas artes, a coisa ficou mais profissional”, revela Valcir.

Organização e rivalidade

Moderação estimula participação de membros (Reprodução)​Depois de conseguir incrementar o número de membros, Valcir teve que encontrar a medida certa da organização do grupo. “Tinha muita briga, gente que levava zoação de futebol pro pessoal. Tive que colocar limite, até porque o que a gente quer é uma rivalidade saudável, interação pacífica, mas sem deixa a zoação de lado. Começamos a excluir membros que descumpriam a regra e que insistiam nas ofensas, e com o tempo as discussões foram ficando melhores”, conta o webdesigner.

A partir de hoje, segundo Valcir, a movimentação do grupo deverá ser mais intensa por conta do início da temporada 2018 do campeonato, o que naturalmente já proporciona movimento às postagens. O problema era, no caso, colocar o pessoa para discutir o esporte quando as rodadas já tinham acabado. Para isso, a divulgação de outras modalidades do esporte e até ‘troféu’ para membros populares chegou a ser criado.

“Tem que movimentar o grupo, fazer algumas brincadeiras pro pessoal interagir, né? Numa dessas surgiram até alguns folclores e o vencedor do troféu do mais popular. Tem um membro de Aquidauana, o Adão Fernandes, que o pessoal chama de ‘mito’. Ele é torcedor do Operário e ganhou esse apelido porque quando teve a final entre o Corumbaense e o Novoperário, ano passado, ele foi assistir ao jogo com a camisa do Operário… Mas pra ver o jogo no Novo! Virou meme, a gente fez até montagens com ele”, lembra.

A meta, agora, é que o início do campeoneto atraia mais membros e que o grupo chegue à marca de 20 mil participantes em 2018. Mas, Valcir também compartilha com os amigos virtuais o sonho do desenvolvimento do futebol em Mato Grosso do Sul, inclusive, com rodadas da uma série C e uma sonhada ‘Copa MS’.

O membro Adão Fernandes virou 'folclore' e 'meme' dentro do grupo (Reprodução)

“Nossa federação é uma das que mais recebe verba, então a gente queria que os clubes não ficassem parados por tanto tempo. As rodadas do estadual acontecem só durante 3 a 4 meses. O que a gente gostaria de ver era a série C no campeonato, ou uma Copa MS. O problema é que é muito caro para um time amador pagar a federação, mas teve um ano que houve ‘série C’, e foram mais de 40 clubes amadores. Aí sim o futebol de Mato Grosso do Sul ia deslanchar”, diz. “Seria como na Inglaterra, que time amador joga com profissionais”, conclui.

Outros entusiastas

Quem também é apaixonado pelo futebol do Estado é o jornalista Helder Rafael, que – pasme! – é gaúcho! Bastante experiente na cobertura jornalística do esporte (ele já cobriu a Copa e as Olimpíadas), Helder é o autor do ‘Almanaque do Futebol Sul-Mato-Grossense‘, que foi lançado ano passado. A obra é resultado de anos e anos de cobertura jornalística especializada.

“Quando eu comecei a trabalhar como repórter esportivo, percebi a imensa dificuldade de encontra informações sobre os jogos antigos. Então eu comecei uma pesquisa particular, até para subsidiar minhas reportagens, e com o passar dos anos vi que tinha um material muito robusto, e entendi que aquilo não poderia ficar restrito só a mim”, revela o autor.

Apaixonado por futebol, Helder já cobriu a Copa e as Olimpíadas (Foto - Arquivo pessoal)

Além dos placares e de informações estatísticas, o ‘Almanaque do Futebol Sul-Mato-Grossense’ traz curiosidades históricas sobre o esporte no estado. Por exemplo: você sabia que o futebol chegou em MS por Corumbá?

“Era a cidade mais próspera da parte sul do antigo Mato Grosso, e tinha o terceiro maior porto fluvial da América Latina. Então foi ali, em 1910, que desembarcou o futebol nas terras pantaneiras”, revela Helder. “Mas o Corumbaense não foi o primeiro time. É o mais antigo que existe até hoje, mas antes dele outros chegaram a ser criados”, acrescenta, destacando que depois dele vêm o Comercial e o Operário, fundados nos anos 30 do século passado.

Helder, a propósito, é membro do grupo ‘FutMS – Futebol de Mato grosso do Sul’. Se você quiser se juntar aos outros amantes do esporte, basta clicar AQUI.

Jornal Midiamax