MidiaMAIS / Cinema

Após polêmica, Academia mudará diretrizes para garantir um Oscar mais igualitário

o plano é que até 2020 sejam reformadas as práticas de votação

Guilherme Cavalcante Publicado em 25/01/2016, às 20h28

None
lupita-oscar-620x412.jpg_1718483346.jpg

o plano é que até 2020 sejam reformadas as práticas de votação

Após o boicote de Will Smith, Spike Lee e da polêmica gerada nas redes sociais com a ausência de diversidade entre os indicados ao Oscar, a Academia de Cinema fez um anúncio na manhã desta sexta, 22, de que faria mudanças drásticas em sua organização.

De acordo com o site da revista Entertainment Weekly, o plano é que até 2020 sejam reformadas as práticas de votação em busca de uma inclusão mais adequada das minorias. Entre as mudanças, está o recrutamento de novos membros e um limite de tempo para não-ativos na indústria. A maioria dos seis mil associados é branca, do sexo masculino e com mais de 50 anos.

"A Academia vai liderar e não esperar que a indústria recupere o atraso", disse a presidente Cheryl Boone Isaacs. "Estas novas medidas de votação irão gerar um impacto imediato no início de uma mudança significativa na composição da nossa associação."

Boicote

Jada Pinkett Smith e Spike Lee foram os primeiros a anunciar que não iriam à cerimônia do Oscar 2016 depois de apenas atores brancos terem sido indicados pelo segundo ano consecutivo. Will Smith estava fora do país quando sua esposa postou o vídeo com o boicote no Facebook, mas ele diz que ficou “abalado” pelo que viu.

“Há uma posição que nós temos nessa comunidade e, se não somos parte da solução, somos parte do problema”, disse Smith.

Smith, com seu papel em Um Homem Entre Gigantes, é um dos apontados pelos como “esquecidos” pelo Oscar, ao lado de Michael B. Jordan (Creed: Nascido para Lutar) e Idris Elba (Beasts of No Nation). Mas Smith disse que a “exclusão” dele não foi a razão mais sólida por trás da decisão do boicote anunciada pela esposa, afirmando que Jada faria o mesmo vídeo caso ele fosse o único negro a receber uma indicação.

“Os indicados refletem a Academia”, disse Smith. “A Academia reflete a indústria [Hollywood] e então a indústria reflete os Estados Unidos. Há um deslize regressivo em direção ao separatismo, à desarmonia racial e religiosa e esta não é a Hollywood que eu pretendo deixar para trás. Estamos todos nisso juntos. Temos que perceber e temos que consertar isso.”

O boicote de Smith ao Oscar não será o primeiro dele em uma premiação. Em 1989, ele se juntou a DJ Jazzy Jeff, LL Cool J e Salt-n-Pepa faltando ao Grammy depois de ser anunciado que a primeira Melhor Performance de Rap não seria televisionada. Smith e Jazzy Jeff acabaram ganhando o prêmio por “Parents Just Don't Understand”.

Jornal Midiamax