Nem mesmo uma escadaria de dez degraus e um muro alto impedem a sucuri, de cerca de três metros e apelidada de “danadinha”, de aparecer no espaço de eventos da prefeitura, em Corumbá, que também abriga a Agemp (Agência Municipal Portuária). Com um cenário belíssimo ao fundo, que abriga o Rio Paraguai, a vista por vezes é acrescida da presença da serpente e de outros “visitantes ilustres”.

“Aqui é um cenário realmente muito lindo e que vai além das pessoas. Temos visitantes ilustres sim. Tem o gavião que a gente brinca que já mora aqui praticamente e está sempre em busca de insetos e a nossa famosa sucuri. De vez em quando, ela ousa vir tomar café da manhã com a gente, então, aparece cedo para dar um passeio aqui na nossa área”, contou ao MidiaMAIS o gerente de eventos da Agemp, Adriano Morrone, de 53 anos.

Segundo o gerente, que completa dois anos trabalhando no local, neste mês de abril, foram dois flagrantes e devoluções da “Danadinha” ao seu habitat natural.

“Os outros portuários presenciaram muito mais vezes do que eu, principalmente os que estão aqui há mais tempo. É engraçado que ela sobe a escada, uns dez degraus mais ou menos e aparece aqui. Uma vez foi um susto danado, ela estava dentro do teatro quando um colega a avistou”, relembrou Morrone.

Ainda de acordo com o gerente, a princípio, as pessoas que avistam a sucuri, pela primeira vez, sentem pavor, principalmente por conta do tamanho e histórico do animal. “Ficam com receio de chegar perto, mas, a sucuri jamais atacou alguém nessa área. Ela passeia, teima em entrar no prédio e depois a levamos de volta”, comentou.

Recentemente, o gerente conta que o motorista do prefeito é quem a devolveu para as proximidades do rio. “Ele foi criado em fazenda, tem experiência, então a pegou pelo rabo e a devolveu na água. Eu não ouso tanto. No meu caso fui conduzindo com a vassoura, com o maior cuidado, para não machucar. A prioridade é essa e, por enquanto, ela não voltou mais aqui”, disse.

Assim, Morrone disse que a sucuri ganhou o apelido de “Danadinha”. “É porque ela vai e volta. É engraçado que nesse dia do Tato [o motorista], ela foi devolvida e aí, quando foi de tarde, quem estava aqui de novo? E só em Corumbá mesmo, somos chiques menina”, brincou.

No entanto, na hora de falar sério, Morrone agradeceu muito o local onde trabalha e ressaltou a paisagem “linda e maravilhosa” que pode contemplar diariamente. “Além disso, de vez em quando, ainda aparece uma onça na nossa região. Tudo para nos tirar um pouco da rotina. E sou muito feliz em morar em Corumbá e desfrutar de toda essa beleza aqui”, finalizou.

Veja a “Danadinha” e o depoimento do Morrone: