MidiaMAIS

Única churrasqueira em festival da carne em Campo Grande, Lariza mostra por que bota ‘brasa’

O Festival da Carne começa hoje e ela vai representar a equipe feminina no evento, realizado em Campo Grande

Nathália Rabelo Publicado em 08/10/2021, às 08h00

Lariza Betfuer é especialista no preparo de carnes em Campo Grande
Lariza Betfuer é especialista no preparo de carnes em Campo Grande - Foto: Reprodução/Instagram

Lariza Betfuer tem apenas 27 anos, mas já pode colocar na conta uma conquista que representa não apenas o Estado de Mato Grosso do Sul, mas toda a classe feminina que trabalha todos os dias para conseguir espaço no mercado de trabalho. Profissional no preparo de carnes, ela foi a única mulher da região selecionada para participar do Festival da Carne, que começa nesta sexta-feira (8) em Campo Grande.

Ela começou a desbravar esse universo predominantemente masculino há alguns anos, mas hoje tem a alegria de comemorar que seu nome já está registrado na preferência de vários clientes da Capital. Churrasqueira de carteirinha, Lariza é especialista em levar carinho através do sabor.

Essa história começou há muitos anos, quando ela ainda era criança. Apaixonada por cozinha desde pequena, sempre se imaginava trabalhando como cozinheira. Anos mais tarde, ela criou um novo hobby: fazer churrasco para família e amigos. 

“Eu sempre fazia questão de tomar à frente da churrasqueira, fazer testes com carnes. Mas tudo começou como hobby e brincadeira para essas ocasiões de amigos, de confraternização para estar todo mundo ali. E veio desde cedo, sou apaixonada por cozinha desde criança. Então, desde a adolescência eu já comecei a tomar conta da churrasqueira, a fazer o preparo das carnes”, recorda Lariza. 

O passatempo acabou ganhando proporções tão grandes, que Lariza decidiu deixar a carreira que estava seguindo para realmente investir na área do churrasco. Apesar das dificuldades, ela conseguiu ultrapassar todas as barreiras.

Início da profissão

Betfuer trabalhava no comércio antes de se dedicar 100% às carnes. No entanto, as dificuldades vieram na hora de fazer a transição entre as carreiras, se profissionalizar e, claro, se manter financeiramente com a nova ideia. Felizmente, ela teve o apoio de amigos e familiares que sempre observaram o seu talento. Pouco a pouco, ela atingiu a sua tão sonhada estabilidade profissional. 

“Eu trabalhei em restaurante, comecei a trabalhar diretamente no preparo de carne. Daí criei o Lari Churras, minha marca, que foi quando comecei a fazer eventos particulares. Dificuldade sempre tem, mas graças a Deus tive apoio da minha família, dos meus amigos, consegui fazer essa transição e me tornar profissional nessa área”, comemorou a assadora. 

No entanto, trata-se de uma área predominantemente masculina ainda. Tanto é que, se você pesquisar “churrasqueiro” no Google, você encontra várias fotos e definições do profissional homem especializado no preparo de carnes. Agora, se você pesquisar “churrasqueira” no mesmo buscador, você vai encontrar apenas anúncios de vendas do objeto. Frente a isso, Lariza pode se orgulhar por estar desbravando esse universo com muita garra, representando a classe feminina que está no mesmo segmento.

“É muito difícil você se destacar numa profissão que é majoritariamente masculina. Hoje têm muitas mulheres na área, muitas mulheres reconhecidas na área. Aqui em Mato Grosso do Sul não são tantas que estão em destaque. Tem muita mulher que está à frente de restaurante, a frente de churrasqueira, só que não tem o seu devido destaque”, comenta. 

Questionada se já sofreu algum preconceito de gênero dentro da profissão, ela afirma que nunca passou por essa situação com colegas ou chefes de trabalho, apenas com clientes. Em uma dessas ocasiões, ela recorda quando foi contratada para fazer churrasco, mas o homem perguntava toda hora se ela precisava de ajuda.

“Eu estava fazendo um fogo de chão, uma costela. Daí o cliente estava olhando para lá, perguntou se eu queria ajuda e eu falei: ‘não, está tudo bem, tudo sob controle’. Eu estava fazendo aquele preparo, né? Eu sei o que eu estava fazendo. Por mais que a costela pesava 20 quilos, eu estava acostumada. E aí ele quis ajudar e acabou se queimando no espeto. Daí eu falei: ‘tá vendo? Eu consigo’. Fui lá, peguei, abri o esperto, servi a costela. Eu consigo dominar o meu trabalho, então às vezes é difícil para alguns homens entenderem isso, mas a gente tenta passar por isso de uma forma mais leve possível para que isso acabe não acarretando em uma situação um pouco mais chata”, reflete Lariza.

Mesmo assim, situações como essa apenas reforçaram a profissão da jovem, tanto é que várias mulheres entram em contato com ela agradecendo a representação nesse espaço. Agora, Lariza faz a sua estreia no Festival da Carne e revela que vai preparar um delicioso hambúrguer na parrilla argentina.

“Eu estou muito feliz pela oportunidade, tô bem contente, vou mostrar o meu trabalho, vou mostrar o meu potencial, o que eu realmente sei fazer no Festival. Outras mulheres incríveis vão estar ao meu lado lá para trabalhar junto comigo e vou mostrar o meu melhor e o que eu sei fazer”, comemora a churrasqueira. 

Lariza vai fazer hambúrguer na parrilla argentina durante o Festival da Carne (Foto: Arquivo Pessoal)

Festival da Carne 

Entre os dias 8 e 10 de outubro, será realizado o Festival da Carne, na Esplanada Ferroviária, em Campo Grande.  O evento gratuito é realizado por Márcia Marinho e Campo Grande Destination, em parceria com Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Campo Grande) e Fundtur (Fundação de Turismo de Campo Grande).

Além da presença de Alê Ciasca, Brunão BBQ e Téo Luis, Lari Churras é a representante feminina da equipe do Festival. Para mais informações sobre o Festival da Carne, siga @festivaldacarnedoms ou entre em contato pelo telefone (67) 99640-1249.

Jornal Midiamax