MidiaMAIS

‘Campo Grande em Cena’ divulga lista dos selecionados

Ao todo, sete espetáculos de Mato Grosso do Sul compõem a programação

Nathália Rabelo Publicado em 18/10/2021, às 14h20

None
Foto: Raique Moura

O projeto “Campo Grande em Cena” divulgou a lista dos espetáculos de Mato Grosso do Sul que foram selecionados para a programação. Eles serão apresentados nos dias 3 e 13 de novembro. Segundo os responsáveis, foram considerados trabalhos cênicos em processo, peças curtas e/ou espetáculos com duração igual ou superior a 60 minutos.

Os espetáculos selecionados vão receber cachê de até R$ 4 mil (dependendo da categoria), além de transporte, alimentação e hospedagem para quem não residir na Capital. O espetáculo "Todo redemoinho começa com um Sopro" e oficinas para atores também entram na programação.

Confira abaixo os espetáculos selecionados:

1. CÃES

  • Núcleo Teatral Isadora (NUTIS)
  • Dourados
  • Ano: 2021
  • Duração: 20 minutos
  • Ficha Técnica
  • Produção: Núcleo Teatral Isadora
  • Direção e Dramaturgia: Beto Mônaco
  • Atuação: Gina Tocchetto
  • Criação de Luz: Gil Esper
  • Direção Musical: Willian Grando
  • Provocação Artística: Roberta Ninin
  • Fotografia de cena: Raique Moura
  • Fontes utilizadas na dramaturgia: Excertos de Carta de Cristóvão Colombo, Poesia “Espanha e Holanda”, de Leila Diniz, Poema Fábula “Ossos” e Canção “Vento”, de Gina Tocchetto.
  • Apoio: Casulo Espaço de Cultura e Arte, Núcleo de Artes Cênicas e Facale/UFGD
  • Agradecimentos – Ivete Cattani, José Parente

Sinopse: Quando Cristóvão Colombo chegou ao Novo Mundo, escreveu, maravilhado, a seus financiadores — os Reis da Espanha — que aquele lugar deveria ser o Paraíso na Terra. Árvores majestosas, frutos saborosos, fontes de água límpida e habitado por uma gente nua e inocente. Colombo pede aos reis que “não permitam que aqui venha ou ponha pé nenhum estrangeiro — salvo católicos cristãos.” Ironias à parte, da beleza da arara restou o nome do execrável pau de arara, e a gente inocente assumiu a função dos cães que guardam o que ainda é possível extrair deste Paraíso Perdido.

2. A CARTISTA

  • Cia. Sou o que Sou
  • Aparecida do Taboado
  • Ano: 2019
  • Duração: 40 minutos
  • Ficha Técnica
  • Texto: Wadna Salles
  • Direção e Figurino: Moysés Chama
  • Atriz: Conceição Mendonça
  • Música autoral: Priscilla Cardoso
  • Beleza: Alice Yura
  • Arranjos musicais: Cleiton Rodrigues

Sinopse: Um monólogo envolvente no qual a protagonista transborda sua essência, tornando-se uma fascinante narradora de sua história e sedenta espectadora de seus anseios. No decorrer do enredo, a personagem entrega-se ao ápice das principais emoções humanas levando o público à catarse. A Cartista é repleta de eventos fascinantes, que marcam o público e promovem o encanto pela arte e pelo mais profundo do universo humano. O enredo é atravessado pela espera de um grande amor que se foi, o que leva a protagonista a escrever cartas, refletindo sobre suas dores, anseios e mergulhada em suas lembranças.

3. AS MIRAGENS DO ASFALTO

  • Teatro Imaginário Maracangalha
  • Campo Grande
  • Ano: 2021
  • Duração: 60 minutos
  • Ficha Técnica
  • Direção: Fernando Cruz
  • Dramaturgia: Fernando Cruz em processo colaborativo com o grupo
  • Atuadores: Ariela Barreto, Fernando Cruz, Fran Corona, Moreno Mourão, Paulo Augusto Fernandes, Pepa Quadrini e Rodrigo Nantes
  • Vídeo Mapping: Algo+Ritmo (Natacha Miranda, Sol Ztt, Alexandre Radtke, Juliana Trujillo, Gilfranco Alves)
  • Arte Gráfica: Maíra Espíndola
  • Figurino: Ateliê Ramona Rodrigues
  • Filmagem/Edição e Fotografia: Uári de Arruda
  • Incentivo da Lei Aldir Blanc do Governo Federal e da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e Prefeitura de Campo Grande.
  • Apoio: AFAPEDI (Associação dos Ferroviários, Aposentados, Pensionistas, Demitidos e Idosos)

Sinopse: O Teatro Imaginário Maracangalha apresenta 'As miragens do asfalto'. Projeto de pesquisa etnográfica e montagem de cenas curtas, itinerantes e performativas com base na documentação histórica e memória oral da comunidade de trabalhadores da antiga estrada de ferro Noroeste do Brasil.

4. O GRANDE SALTO

  • Cia Theastai
  • Dourados
  • Ano: 2021
  • Duração: 15 minutos
  • Ficha Técnica
  • Direção Artística e atuação: João Rocha
  • Direção técnica circense e pesquisa musical: Junior de oliveira
  • Figurinista e preparação corporal: Társila Bonelli

Sinopse: O Grande Salto, de João Rocha, traz para o picadeiro um trabalho que mescla a arte do palhaço com a técnica de trampolim acrobático de uma forma irreverente, juntando a inovação com a tradição dos circos. Entre o riso e a tensão, faz o público delirar de alegria.

5. GRITARAM-ME BUGRA

  • Grupo de Teatro Liberdade PKR – Pa’iKuaraRendy
  • Aldeia Amambai/Amambai
  • Ano: 2019
  • Duração: 12 minutos
  • Ficha Técnica
  • Diretor: Duadino Martines
  • Cenografia, Figurino e Maquiagem: Elza Aparecida Rodrigues Freitas
  • Atrizes: Cristiane Lossate, Athaiele Souza, Letícia Duarte Martins
  • Atores: Adeilson Gonçalves Vasques, Cauã Vasques e Gebesson Solano

Sinopse: Gritaram-me bugra traz em cena uma indígena que conta o seu sentimento de ser uma nativa e como o preconceito e a discriminação afetam a sua vida. Um misto de tristeza e orgulho de ser chamada de bugra, que remete à cultura indígena do país como um ser inferior e que, muitas vezes, soa como ofensa. Ela expõe a questão do feminicídio e reflete sobre sentir orgulho de ser quem ela é, valorizando as cores e ritos de sua cultura por meio dos instrumentos Guarani Kaiowá e os cantos. O trabalho é uma realização do Grupo de Teatro Liberdade PKR – Pa’iKuaraRendyrupo, formado por indígenas Guarani Kaiowáda região do município de Amambai.

6. O FRUTO

  • João Dias
  • Dourados
  • Ano: 2021
  • Duração: 40 minutos
  • Ficha Técnica
  • Intérprete-criador: João Dias
  • Direção: Társila Bonelli
  • Trilha Sonora: Maik Rogério
  • Produção Geral: João Rocha
  • Técnico de iluminação: Wesley Prado

Sinopse: Espetáculo solo de dança drama de João Dias. Um trabalho sensível, cheio de memórias afetivas, no qual o corpo do intérprete-criador percorre seus laços afetivos mais profundos, suas lembranças do passado, sua existência presente e cria possibilidades para o futuro revisitando símbolos maternos e paternos.

7. CREMA

  • Grupo Casa
  • Campo Grande
  • Ano: 2021
  • Duração: 40 minutos
  • Ficha Técnica
  • Direção: Lígia Prieto
  • Dramaturgia: Leonardo de Castro
  • Elenco: Nilcieni Maciel e Nathália Maluf
  • Produção: Kelly Figueiredo
  • Iluminação: Kelly Figueiredo
  • Operação de Luz: Kelly Figueiredo
  • Sonoplastia: Leonardo de Castro
  • Trilha Sonora Original: Leonardo de Castro
  • Figurinos: Bê Perez
  • Arte Digital e Gráfica: Bê Perez
  • Realização: Grupo Casa
  • Classificação: 12 anos

Sinopse: São três gerações dentro de uma casa em isolamento, Élida, Ísis e Aisha. O lado de fora não se sabe se segue existindo. Se elas não fossem mulheres, poderíamos saber se por dentro ainda estão vivas ou mortas. Mas o caminho de uma mulher é sempre incerto, e no coração muitas vezes carrega uma tragédia. CREMA é um grito de liberdade, de vida e de morte pela luta de um feminino bebê, que pode virar cinzas ou enfrentar o mundo que já acabou.

Jornal Midiamax