Geral

Prefeitura amplia ‘poderes’ de gerente do Centro Pediátrico e servidores reclamam

Poderes dados a gerente do Cempe foi solução encontrada para melhorar saúde na Capital

Thatiana Melo Publicado em 14/01/2015, às 13h43

None
img-20150114-wa0032.jpg

Poderes dados a gerente do Cempe foi solução encontrada para melhorar saúde na Capital

Os poderes dados pelo secretário municipal de Saúde, Jamal Salém, e prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), à gerente do Cempe (Centro Municipal Pediátrico), Renata Guedes Alves, foram alvo de reclamações pelos servidores da saúde. Descontentes com o que chamam de interferências da chefe em órgãos do setor, chegaram a questionar a hierarquia do secretário.

Em reunião na manhã desta quarta-feira (14) no Fets (Fórum Estadual dos Trabalhadores em Saúde), o secretário defendeu a interferência da diretora do Cempe a fim de melhorar o atendimento na saúde. E emendou: “quem manda sou eu.”

A enfermeira e Conselheira Municipal e Estadual de Saúde, Giane França Alvarez, comentou que hove interferências. “Temos conhecimento que ocorreram interferências que não competem a ela”. Segundo servidores, que preferiram não se identificar, a gerente do Cempe ameaçava quem não cumprisse suas ordens. “Ela disse que iria remanejar alguns funcionários de uma unidade de saúde para outra, sem ter prerrogativas para isto e ameaçava de demissão dizendo que a porta da rua é serventia da casa e que quem não estivesse satisfeito que fosse embora”, explicou.

Conforme os relatos, a ameaça de remanejamento seria realizada entre funcionários do CRS (Centro Regional de Saúde) para o UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino. A ocorrência mais grave teria acontecido no último sábado (10), na unidade Guanandy, quando a gerente do Cempe teria retirado um médico da emergência para atender um paciente que precisava de uma sutura, relatou um servidor.

De acordo com o secretário os “poderes” dados a Renata tiveram como base a satisfação da população em relação ao trabalho de gerenciamento dela. “Fizemos isso com base em dados da ouvidoria.”, justificou Jamal. Questionado se seria adotada alguma medida a respeito dos casos mencionados, o secretário disse que vai “orientar” melhor a gerente do Cempe e que os “exageros” não serão mais cometidos.

Matéria atualizada para correção de informações.

* comentários removidos e vetados em atendimento a determinação judicial

Jornal Midiamax