Geral

Populares dizem que acusado de matar e enterrar a ex tinha ‘vida normal’

O ex-marido de Márcia da Costa Moreira, 34, encontrada morta e enterrada na manhã desta quinta-feira (9) no fundo de uma quitinete na rua Filinto Muller, Jardim Márcia, levava ‘vida normal’, segundo populares. Rafael London Marques da Silva, 27, morava na residência onde o corpo foi achado e não aparentava nenhum receio com a situação. […]

Arquivo Publicado em 09/01/2014, às 14h15

None
533536994.jpg

O ex-marido de Márcia da Costa Moreira, 34, encontrada morta e enterrada na manhã desta quinta-feira (9) no fundo de uma quitinete na rua Filinto Muller, Jardim Márcia, levava ‘vida normal’, segundo populares.


Rafael London Marques da Silva, 27, morava na residência onde o corpo foi achado e não aparentava nenhum receio com a situação. Ainda conforme os moradores da região, Silva participava de confraternizações e recebia amigos no local.


De acordo com as informações policiais, o rapaz confessou o crime para o advogado da família e contou onde estaria o corpo de Márcia. Ele disse também que o acontecido foi um acidente, porém, é considerado foragido.


O CASO


A mãe da vítima, Maria Ribeiro Bueno, 48, moradora em Almirante Tamandaré, no Paraná, não tinha notícias da filha há pelo menos dois meses e ontem (8), registrou boletim de ocorrência em Dourados, de desaparecimento.


Segundo depoimento dela, em novembro de 2013, o neto de 13 anos – que não é filho do rapaz – apareceu em sua residência, alegando ter sido informado que a mãe estaria doente e afirmou que no dia do embarque para o Sul do país, uma mulher o levou para a rodoviária.


Antes, o adolescente disse que sempre questionava ‘Rafael’, mas este não lhe dava o fato verdadeiro.


Intrigada, a avó entrou em contato com o rapaz. Por telefone, ele alegou que Márcia havia fugido de casa e deixado o jovem, mas entraria em contato com a mãe, explicando os motivos do episódio.


Ela então veio a Dourados e não encontrou o genro na casa onde moravam, na região central, quando decidiu procurar a polícia e registrou a queixa.

Jornal Midiamax