Geral

Número de leitos oferecidos pela Sesau foi pouco e promotora pede contraproposta

Depois de o prazo dado pelo MPE (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) para a Prefeitura de Campo Grande disponibilizar novos leitos para desafogar as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento Comunitário), ter acabado essa semana, a promotora Filomena Aparecida Depólito Fluminhan, aguarda uma nova contraproposta da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), pois avaliou que […]

Arquivo Publicado em 11/09/2014, às 18h19

None

Depois de o prazo dado pelo MPE (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) para a Prefeitura de Campo Grande disponibilizar novos leitos para desafogar as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento Comunitário), ter acabado essa semana, a promotora Filomena Aparecida Depólito Fluminhan, aguarda uma nova contraproposta da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), pois avaliou que os 28 iniciais propostos pelo Executivo são insuficientes.

Dois membros da Sesau estiveram com a promotora da 32ª Promotoria de Justiça da Saúde Pública nos últimos dias para um diálogo, conforme informou a assessoria de imprensa do MPE e a nova oferta deve ser apresentada nesta sexta-feira (12). No entanto, o secretário de Saúde, Jamal Salem, antecipou que pedirá ampliação do prazo.

Como medida paliativa, a Sesau conseguiu 28 leitos de UTI no Hospital Regional de Campo Grande, mas devem ser disponibilizados outros 12 na Santa Casa e também no Hospital Pediátrico.

“Amanhã vamos fazer um convite para a promotora ir conosco até as unidades. Essa situação não se resolve do dia para a noite, precisamos de recursos humanos, de enfermeiros preparados. Vamos pedir nova prorrogação para ela e mostrar que temos boas intenções”, pontuou o secretário.

A Recomendação do Ministério Público de Mato Grosso do Sul à Sesau e à Prefeitura de Campo Grande ocorreu por conta de vistoria realizada nas UPAs da Vila Almeida, do bairro Universitário e do Coronel Antonino. Segundo a promotora Filomena, constatou-se através do censo situacional que havia nas unidades pessoas aguardando por internação há mais de 24 horas.



Jornal Midiamax