Geral

Mobilização pede ajuda para despesas do enterro de criança que morreu por falta de socorro

Uma mobilização no Facebook está pedindo ajuda para custear as despesas com o enterro do menino Heber Romero, de 8 anos. Ele chegou morto ao Centro Regional de Saúde do Bairro Tiradentes, na madrugada desta sexta-feira (7) depois de uma reação alérgica a um medicamento. A família acusa o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência […]

Arquivo Publicado em 07/03/2014, às 20h38

None
270208629.JPG

Uma mobilização no Facebook está pedindo ajuda para custear as despesas com o enterro do menino Heber Romero, de 8 anos. Ele chegou morto ao Centro Regional de Saúde do Bairro Tiradentes, na madrugada desta sexta-feira (7) depois de uma reação alérgica a um medicamento.

A família acusa o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Campo Grande de se recusar a socorrer o garoto, o que pode ter contribuído para a morte do menino.

A nota no Facebook mostra muito pesar pela morte da criança e afirma que essa é uma tentativa de ajudar a família a custear as despesas do velório: Veja a nota na integra.

“Pessoal hoje nos deparamos com essa fatalidade, um garotinho cheio de vida, de sonhos e alegria se foi… e deixou uma tristeza imensa aos que o conheciam e a quem conhecia sua familia e seu pai, o Robinho, um homem do bem e querido por todos… entao resolvemos fazer um apelo e pedir a colaboraçao de quem puder ajudar para arrecadarmos dinheiro pras despesas com velorio e enterro… Quem puder ajudar com qualquer valor, o velorio sera na Capela Monte Fuji na rua 13 de maio… Quem nao puder ir estarei buscando a ajuda, podem me chamar inbox… ou whatsapp 9287-0974”

O caso

De acordo com familiares, Heber havia sofrido entorse de joelho quando brincava com os irmãos em casa. A mãe resolveu medicar o garoto e deu parte de um relaxante muscular. O menino teria sofrido uma reação alérgica e o caso se complicou pela madrugada, quando foi solicitado o atendimento do Samu.

Depois de receber a negativa de atendimento a família, que mora no Jardim Panorama, providenciou o transporte da criança para o Centro de Saúde do Tiradentes.

Quando o tio que conduziu o carro chegou ao posto, a criança já estava morta.

Jornal Midiamax