Geral

Mato Grosso do Sul leiloará 75 mil toneladas de milho

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) incluiu Mato Grosso do Sul no leilão de Pepro (Prêmio Equalizador pago ao Produtor Rural), com a finalidade de garantir o preço mínimo do milho aos agricultores do Estado. Serão leiloadas 75 mil toneladas do milho cultivado em Mato Grosso do Sul, outras 75 mil toneladas de Goiás e […]

Arquivo Publicado em 11/08/2014, às 18h40

None

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) incluiu Mato Grosso do Sul no leilão de Pepro (Prêmio Equalizador pago ao Produtor Rural), com a finalidade de garantir o preço mínimo do milho aos agricultores do Estado. Serão leiloadas 75 mil toneladas do milho cultivado em Mato Grosso do Sul, outras 75 mil toneladas de Goiás e 850 mil toneladas de Mato Grosso. O leilão eletrônico acontecerá na próxima quarta-feira (20).

A inclusão de Mato Grosso do Sul no leilão de Pepro foi um pedido da Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) e da OCB/MS (Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Mato Grosso do Sul). Juntas as entidades pediram a inclusão de 2 milhões de toneladas do milho produzido na safra 2013/14 no leilão de Pepro.

O preço mínimo da saca de 60 quilos de milho em Mato Grosso do Sul e Goiás estipulado pela Conab para o leilão de Pepro será de R$ 17,67. Já no Mato Grosso, o preço mínimo da saca será de R$ 13,56. De acordo a Famasul, a diferença no valor acontece devido ao volume de produção de cada Estado.

Segundo o presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), Almir Dalpasquale, novos leilões serão liberados conforme a necessidade de cada Estado. “De acordo com o ritmo de escoamento do milho em cada Estado e do sucesso deste leilão, outros poderão ser divulgados, podendo atender o volume total solicitado por cada região”, garante Dalpasquale, que mantém contato frequente com a equipe do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), responsável pela liberação dos leilões.

Para o presidente da Aprosoja/MS, Mauricio Saito, as vantagens do leilão sobressaem os preços mínimos. “Além de aliviar a queda no preço da saca do milho influenciado pela grande oferta, o leilão garante ritmo ao escoamento do milho produzido nesta safra”, destaca Saito.

Jornal Midiamax