Geral

MA: agentes descobrem plano de fuga na Penitenciária de Pedrinhas

Agentes da Força Nacional descobriram um plano de fuga na Penitenciária de Pedrinhas e evitaram a debandada de dezenas de presos em São Luís, no Maranhão. Conforme a Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão (Sejap), os detentos escapariam por um buraco que estava sendo escavado no Pavilhão F1. O caminho levaria até a […]

Arquivo Publicado em 21/03/2014, às 14h39

None

Agentes da Força Nacional descobriram um plano de fuga na Penitenciária de Pedrinhas e evitaram a debandada de dezenas de presos em São Luís, no Maranhão. Conforme a Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão (Sejap), os detentos escapariam por um buraco que estava sendo escavado no Pavilhão F1. O caminho levaria até a área do núcleo de saúde da penitenciária, por onde eles planejavam fugir.


Os presos quebraram lâmpadas e canos de água do pavilhão em revolta depois que o plano foi descoberto. Agentes da Força Nacional de Segurança e do Grupo Especial de Operações Penitenciárias (GEOP) evitaram ataques após o quebra-quebra.

Violência no Maranhão


O Estado do Maranhão enfrenta uma crise dentro e fora do sistema carcerário que tem como principal foco o Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Segundo o Conselho Nacional de Justiça, 59 detentos foram mortos no presídio somente em 2013, o que revelou uma falta de controle no local.


No dia 3 de janeiro, uma onda de ataques a ônibus em São Luís mobilizou a Polícia Militar nas ruas da capital maranhense e dentro do presídio, já que as investigações apontam que as ordens dos atentados partiram de Pedrinhas.


Nos ataques do dia 3, quatro ônibus foram incendiados e cinco pessoas ficaram feridas, incluindo a menina Ana Clara Santos Sousa, 6 anos, que morreu no hospital alguns dias depois, com 95% do corpo queimado.


A questão dos problemas no sistema prisional maranhense ganhou mais destaque no dia 7 de janeiro, quando o jornal Folha de S. Paulo divulgou um vídeo gravado em dezembro, onde presos celebram as mortes de rivais dentro do complexos. Após essas imagem de presos decapitados serem divulgadas, o governo Roseana Sarney passou a ser pressionado pela Organização das Nações Unidas, pela Anistia Internacional, pelo CNJ e até pela Presidência da República.


No dia 10 de janeiro, a presidente Dilma Rousseff divulgou pelo Twitter que “acompanha com atenção” a questão de segurança no Maranhão. O Governo Federal passou a oferecer vagas em presídios federais, ao mesmo tempo em que a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) visitou o complexo de Pedrinhas.


No dia 14 de janeiro, um grupo de advogados militantes na defesa dos direitos humanos protocolou na Assembleia Legislativa do Maranhão um pedido de impeachment contra a governadora Roseana Sarney. Segundo o grupo, composto por nove advogados de São Paulo e três do Maranhão, a governadora incorreu em crime de responsabilidade porque não teria tomado providências capazes de impedir a onda de violência que deixou mortos e feridos dentro e fora do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, desde o início do ano.


Em 16 de janeiro, o presidente da Assembleia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), decidiu arquivar o pedido de impeachment após parecer técnico da assessoria jurídica da Casa. O arquivamento do processo foi feito sob a justificativa de que o pedido “é inepto e não tem condições de ser conhecido”.

Jornal Midiamax