Geral

Insetos, roubos e caixas eletrônicos preocupam visitantes britânicos na Copa

Insetos e roubos estão entre as preocupações dos milhares de turistas estrangeiros que estão chegando ao Brasil para acompanhar as emoções da Copa do Mundo. Esse é o caso dos amigos do britânico Glynn Davies. Depois de vir ao Brasil pela primeira vez no ano passado para assistir a um amistoso entre Inglaterra e Brasil […]

Arquivo Publicado em 12/06/2014, às 10h15

None
2093637726.jpg

Insetos e roubos estão entre as preocupações dos milhares de turistas estrangeiros que estão chegando ao Brasil para acompanhar as emoções da Copa do Mundo.

Esse é o caso dos amigos do britânico Glynn Davies. Depois de vir ao Brasil pela primeira vez no ano passado para assistir a um amistoso entre Inglaterra e Brasil no Maracanã, em 2 de junho, Glynn, que virá para a Copa, está agora empolgado com a oportunidade de conhecer outras partes do país.

Frequentemente fantasiado de Super-Homem nos jogos que assiste, Glynn conta que logo fez amizade com brasileiros no jogo que viu no Rio de Janeiro no ano passado – teve gente que até pediu para tirar foto com ele.

Os jogos da Inglaterra o levarão, juntamente com um grupo de entre três e 15 amigos, pela primeira vez à Amazônia – onde a Inglaterra faz sua estréia no mundial, dia 14, contra a Itália – e, depois a São Paulo e a Belo Horizonte. Glynn deve voltar para Inglaterra no dia 25. Para onde seus colegas vão depois, vai depender do desempenho da seleção inglesa.

Neste depoimento à BBC Brasil, Glynn conta sua experiência na primeira visita ao Brasil e o que ele e seus amigos esperam desta Copa do Mundo.

“Como torcedores ingleses, somos orgulhosos da nossa herança, viemos do berço do futebol, inventamos o jogo bem jogado. Nós também somos grandes viajantes e gostamos de percorrer o mundo para ver o nosso time competindo – mas nenhum outro lugar provavelmente tenha nos deixado mais emoção que viajar para um torneio da Copa do Mundo que o Brasil, país que abraçou e expandiu o esporte como nenhum outro.

Para muitos do nosso grupo esta não é a primeira visita ao país, nós tivemos a sorte de viajar no ano passado para o amistoso entre Brasil e Inglaterra, no Rio. Foi muito divertido dividir uma cerveja com os fãs brasileiros antes do jogo, na rua em frente ao estádio do Maracanã.

Como Wembley, o estádio nacional da Inglaterra, o Maracanã é um destino de peregrinação para os fãs de futebol e ter ido até lá e saído com um honroso empate é ainda melhor (na verdade, deveríamos ter ganhado).

Para nos divertir ainda mais nos jogos, eu (Superman) e meu amigo Howard (Fred Flintstone) muitas vezes usamos fantasias irreverentes – sempre cai bem com os fãs adversários e eu já perdi a conta do número de fotos que tirei no caminho para os jogos.

Mas a gente não vai apenas para os jogos, queremos conhecer mais dos países que visitamos. No ano passado, no Rio de Janeiro, nós ficamos um tempo nas praias de Ipanema e Copacabana, visitamos o Pão de Açúcar, a estátua do Cristo Redentor, fomos a uma corrida de cavalos e a uma favela (um dia depois de um turista ter sido baleado lá!). Também voamos para o Sul e visitamos as Cataratas do Iguaçu para ver sua beleza natural e fomos até as fronteiras com a Argentina e o Paraguai para ganhar mais alguns selos em nossos passaportes.

Viagem para a selva

Em 2014, temos um desafio diferente – uma viagem para Manaus para o jogo de abertura contra a Itália e depois um passeio pela Amazônia por alguns dias. Uma das pessoas do nosso grupo, Ricky, resume bem nossa expectativa: “A maioria dos fãs não nos dá esperança, mas acho que as outras equipes vão estar preocupadas com a Inglaterra, temos jogadores que podem colocar a bola no fundo da rede. Minha preocupação é com aqueles malditos insetos que picam, não os italianos!”

A viagem para a selva deve ser incrível – a gente já até pescou algumas piranhas. O que a gente espera é continuar pescando e comendo elas, e não que elas comam a gente!

A vida na cidade de São Paulo

Assim que deixarmos a Amazônia, seguimos para as luzes da cidade São Paulo – seremos um grupo de 15 pessoas por lá. A atmosfera do jogo vai ser interessante, pois é contra o Uruguai e eles estarão em maior número no estádio -, mas é bom quando isso acontece, porque vamos precisar expressar nosso amor pelo nosso time de forma ainda mais forte, especialmente durante o hino nacional.

Fomos advertidos de crimes em São Paulo, mas como H diz: “Nós não estamos realmente preocupados com nada, há crime em todas as cidades de todos os países do mundo, é uma questão de ser sensato.” Espero que ele esteja certo.

Durante a estadia em São Paulo, iremos visitar o museu do futebol e estou interessado em ir ao Beco do Batman – e se for possível emendar uma ida para Santos, adoraríamos conhecer onde o Pelé jogou.

Belo Horizonte

O último jogo do nosso grupo é o mais tenso, uma vez que decide o nosso destino. A maioria não tem voo ou hotel reservado depois do jogo de 24 de junho (é a data do meu aniversário, então eu espero por uma vitória Inglaterra de presente). De lá, o avião segue para casa, Recife ou Rio – quem sabe.

Uma preocupação final, resumida por James está mais ligada ao fato de termos dinheiro suficiente para comprar cerveja e comida… “A minha maior preocupação é conseguir sacar dinheiro, os caixas eletrônicos foram um pesadelo última vez”.

Em resumo, estamos aqui para o futebol, mas também procuramos nos divertir conhecendo pessoas e as cidades-sede, visitando os bares e o país (desde que a gente consiga tirar dinheiro, é claro)”.

Jornal Midiamax