Geral

Homem é baleado durante protesto contra Copa em SP

Um rapaz de 22 anos foi baleado em Higienópolis, na noite desse sábado, durante o protesto contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. A manifestação tomou o centro de São Paulo e terminou em vandalismo e, segundo número oficiais da secretaria de Segurança Pública, 135 manifestantes presos, sendo 12 menores. Fabrício Proteus Nunes […]

Arquivo Publicado em 26/01/2014, às 17h01

None

Um rapaz de 22 anos foi baleado em Higienópolis, na noite desse sábado, durante o protesto contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. A manifestação tomou o centro de São Paulo e terminou em vandalismo e, segundo número oficiais da secretaria de Segurança Pública, 135 manifestantes presos, sendo 12 menores.


Fabrício Proteus Nunes Fonseca Mendonça Chaves foi encontrado com três tiros –dois no peito e um na virilha–, na esquina da rua Sabará com a rua Piauí, rodeado por um grupo de pelo menos quatro policiais militares.


Segundo testemunhas ouvidas pela Folha, os PMs se justificaram dizendo que o rapaz era manifestante e portava coquetel molotov.


O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado, mas, antes que chegasse, os policiais levaram o rapaz para hospital da Santa Casa em uma Kombi da PM, o que contraria a regra que recomenda que os policiais aguardem socorro especializado.


No vídeo abaixo é possível ver o rapaz ferido encostado em uma árvore enquanto espera a chegada do socorro. Nas imagens também é possível ver a reação de dois policiais militares que atendiam a ocorrência.


“Eu estava em casa, ouvi os disparos e desci para ver o que tinha acontecido. Foi quando vi o jovem deitado agonizando no chão. Ele ficou ali por uns 30 minutos até que a PM levou ele para o hospital. Um minuto depois a ambulância chegou, mas ele já tinha ido embora”, disse o gerente comercial José Augusto Kaulino, 47 que testemunhou o caso.


O defensor público Erik Arnesem saía para jantar quando viu a cena. “Logo me identifiquei, mas os policiais não deixaram eu chegar perto da ocorrência”, disse.


Em seguida, Arnesem entrou em contato com o defensor Carlos Weis, coordenador de direitos humanos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, que pretende cuidar do caso e exigir a investigação da ocorrência para punir os possíveis responsáveis.


A reportagem apurou que policiais levaram Chaves à Santa Casa por volta das 22h30 de sábado. Ele foi encaminhado para o centro cirúrgico e operado durante a madrugada.


O rapaz, segundo informações da Santa Casa, continua internado no centro médico. Ele está em coma induzidos e passou, na manhã deste domingo, por uma segunda cirurgia.


Ele está sob escolta de três policiais do 13º batalhão da PM (Campos Elíseos). Até a manhã de domingo, sua família não havia sido avisada e soube da ocorrência por meio da reportagem.


A Secretaria de Segurança Pública foi procurada pela reportagem, porém até agora não se manifestou a respeito deste caso.


Moradores da região disseram que uma equipe da Corregedoria esteve na região durante a madrugada. Pela manhã, foram encontrados no local manchas de sangue e um par de luvas.

Jornal Midiamax