Geral

Futuro presidente do Operário quer o clube na Série A e competições nacionais

Houve consenso e apenas uma chapa foi registrada nas eleições do Operário FC. Estevao Petrallas, presidente do Conselho Fiscal do Operário, será candidato único na eleição do clube que acontecerá no próximo dia 21 de agosto. O ex-jogador Reinaldo e Alécio Manoel, que também pretendiam disputar o cargo, desistiram para compor a chapa de Petrallas. […]

Arquivo Publicado em 08/08/2014, às 00h59

None

Houve consenso e apenas uma chapa foi registrada nas eleições do Operário FC. Estevao Petrallas, presidente do Conselho Fiscal do Operário, será candidato único na eleição do clube que acontecerá no próximo dia 21 de agosto. O ex-jogador Reinaldo e Alécio Manoel, que também pretendiam disputar o cargo, desistiram para compor a chapa de Petrallas. O novo presidente substitui Toni Vieira, mandatário desde 2007.

Agora candidato, Estevão Petrallas chegou a dizer em entrevista às emissoras de rádio de Campo Grande que não disputaria as eleições, mas acabou sendo o nome escolhido em reuniões prévias. Alécio Manoel será o vice-presidente e Reinaldo o diretor de futebol.

De acordo com o futuro presidente, Toni Vieira, o atual, foi fundamental nesta composição. “Nos reunimos 24 horas e não chegamos a um ponto comum e cheguei a acreditar que teríamos uma pequena disputa. Mas o Toni foi muito hábil nesta iniciativa e vimos que cada um [dos pré-candidatos] tínhamos um pedaço para colaborar com o Operário. Assim registramos a chapa ‘Unidos pelo Operário'”, explicou.

Segundo Petrallas, Toni, como atual presidente, deve confirmar nesta quinta-feira a participação do clube na Série B. Depois, já contando com a colaboração do Alécio e do Reinaldo, deve começar o planejamento da Comissão Técnica e do time. “Eu ainda vou esperar as eleições no dia 21, mas o Alécio e o Reinaldo já devem começar a trabalhar com o Toni. É um outro momento do Operário”, comemorou.

Sobre o futuro do Operário, Petrallas afirma que os momentos de glória do clube não podem se perder. “Talvez eu faça parte de uma última geração que viu as conquistas do Operário. Tem toda uma nova que só sabe disso por ouvir falar”, lamenta. Para ele, o primeiro passo é tirar o time da segunda divisão. “O grande desafio agora é trazer o Operário para a Série A. Depois recolocá-lo em competições nacionais. E uma caminhada longa que diretoria e torcedores terão que percorrer juntos”, conclui.

Contestado e polêmico, o atual presidente, Toni Vieira, deve fazer parte do Conselho Deliberativo do clube. Em entrevista à TV Morena no último fim de semana, Toni disse que o seu maior legado é deixar o clube em condições de disputar competições e poder ter uma eleição com postulantes ao cargo.

Jornal Midiamax