Geral

Família tenta arrecadar R$ 100 mil para realizar cirurgia que hospital teria se negado a fazer

Gildo Lozano, de 51 anos, diagnosticado com Neurocisticercose, doença provocada pela ingestão de alimentos contaminados com ovos de parasitas (Taenia solium) e que afeta o sistema nervoso central, precisa de uma cirurgia para a retirada do cisto. A família do paciente afirma que a Santa Casa da Misericórdia de Campo Grande, se negou a realizar […]

Arquivo Publicado em 03/10/2014, às 16h11

None
1493639173.jpg

Gildo Lozano, de 51 anos, diagnosticado com Neurocisticercose, doença provocada pela ingestão de alimentos contaminados com ovos de parasitas (Taenia solium) e que afeta o sistema nervoso central, precisa de uma cirurgia para a retirada do cisto. A família do paciente afirma que a Santa Casa da Misericórdia de Campo Grande, se negou a realizar o procedimento que custa em torno de R$ 100 mil.

A esposa de Lozano, Valéria Alves de Souza, 35 anos, conta que o marido foi contaminado em 2010, no entanto, a doença só foi descoberta em julho deste ano. “A gente vem sofrendo há muitos anos com essa situação e ninguém sabia o que ele tinha. Os médicos tratavam o caso como hidrocefalia, mas fizeram cirurgia e como ele manteve alguns sintomas, pediram outro exame e descobriram a doença”, relatou.

De acordo com Valéria, Lozano tinha uma vida saudável, trabalhava e cuidava da família que mora em Anastácio Depois da doença, ele ficou bastante debilitado e teve que deixar a profissão. “Meu marido tinha 85 quilos e agora está com 48. Sente muitas dores no corpo e mal consegue se levantar”, lamentou.

Tendo que cuidar do marido e dos dois filhos, de 3 e 10 anos, Valéria conta que a renda fixa não chega a R$ 150,00 com o dinheiro oferecido pelo “Bolsa Família”, programa do Governo Federal. Com a situação financeira complicada, a família passou a depender de doações de parentes e amigos. “São eles que nos ajudam. Pagamos R$ 120,00 de prestação da nossa casa e o que sobre é pouco, não dá para mais nada”, afirmou.

Sem condições, a irmã de Valéria, Juliana Alves de Souza, de 26 anos, optou por uma campanha de doações a fim de arrecadar recursos para custear a cirurgia. “Fica um jogo de empurra-empurra entre o Hospital Regional que afirma não ter infraestrutura e a Santa Casa que não aceita por não ser situação de urgência ou emergência. Temos um encaminhamento, mas o pedido é rejeitado, alegam que o Estado tem condições de fazer a cirurgia. O jeito que encontramos foi a cirurgia particular, mas não temos dinheiro para isso”, explicou.

A campanha começou na última segunda-feira (29) e desde então foram arrecadados cerca de R$ 1 mil, mas ainda é pouco para a cirurgia de R$ 100 mil. Os interessados em ajudar a família, podem realizar doações em nome de Valéria Alves de Souza, na Caixa Econômica Federal, Agência: 4555013, Conta Poupança 1874-1, ou entrar em contato pelos telefones: (67) 9239 – 6164 ou (67) 9638 – 1911 e 9936-1640.

Jornal Midiamax