Geral

Empresas ligadas à Petrobras faziam repasses a políticos, indica documento

Um documento apreendido pela Polícia Federal na casa do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa levanta a suspeita de que ele intermediava o repasse de dinheiro de grandes empreiteiras para políticos. Costa foi preso na Operação Lava Jato e é apontado pela Polícia Federal como integrante de um esquema que movimentou de forma suspeita cerca […]

Arquivo Publicado em 12/04/2014, às 10h46

None

Um documento apreendido pela Polícia Federal na casa do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa levanta a suspeita de que ele intermediava o repasse de dinheiro de grandes empreiteiras para políticos.

Costa foi preso na Operação Lava Jato e é apontado pela Polícia Federal como integrante de um esquema que movimentou de forma suspeita cerca de R$ 10 bilhões.

Uma tabela apreendida, à qual a Folha teve acesso, é escrita à mão e está dividida em três colunas: “nome da empresa”, “executivo” (com os nomes dos responsáveis de cada empresa) e “solução”, em que aparece a descrição do andamento da negociação em questão.

“[O documento traz] Diversas anotações que indicam possíveis pagamentos para ‘candidatos’, podendo indicar financiamento de campanha”, escreve a Polícia Federal no relatório de análise do material apreendido.

As empresas citadas são conhecidas doadoras de campanhas eleitorais.

No campo soluções, aparecem relatos como: “Está disposto a colaborar. Iria falar com executivo para saber se já ajudam em algo”, “Já está colaborando, mas vai intensificar mais para a campanha a pedido do PR”, e “Já teve conversa com candidato, vai colaborar a pedido do PR”.

No análise do documento, os agentes da PF se questionam sobre se a sigla PR significa Paulo Roberto.

Ainda na tabela, há os seguintes registros: “Empresa passando por processo de venda, vai colaborar a partir de julho” e “já vem ajudando, pediu para certificar se candidato está ciente. Vai ajudar + a pedido PR”.

As anotações datam de fevereiro, mas não há registro de qual ano se trata.

Um dos focos de apuração da Operação Lava Jato é a transferência de dinheiro de empresas que tinham contrato com a Petrobras para uma conta que, de acordo com a PF, era usada pelo esquema para repassar propina para funcionários públicos e políticos.

No relatório de análise do material apreendido na casa do ex-diretor da estatal, a Polícia Federal registra ainda a existência de um documento com o título “PLANILHA VALORES (Existente/Entradas/Saídas) a partir de 30/11/12 até 03/06/13, que aparenta ser uma ‘contabilidade manual’ da empresa Costa Global [empresa de Paulo Roberto]”.

No texto, os agentes destacam que na rubrica “Entrada” há a inscrição “primo”, que é o apelido pelo qual é conhecido o doleiro Alberto Youssef, apontado pela PF como um dos coordenadores do esquema.

‘ORGANIZADO’

Conforme a Folha revelou na semana passada, empresários e congressistas descrevem Costa nos bastidores como “organizado”, dono de arquivos em que guardaria planilhas detalhadas com os registros do que fazia.

Por essa razão, o ex-diretor da Petrobras é um dos focos da oposição, que tenta criar uma CPI no Congresso para investigar a Petrobras e desgastar o governo Dilma Rousseff no ano eleitoral.

Na apreensão na casa do ex-executivo da estatal, os investigadores destacam também a grande quantidade de valores em espécie: US$ 181 mil e R$ 762 mil.

Jornal Midiamax