Geral

Após, caso Neymar, Santos é pressionado a abrir ‘caixa preta’ da base

Após os desdobramentos da venda de Neymar, conselheiros do Santos pressionam a diretoria para abrir o que chamam de caixa preta das categorias de base. Querem ver os contratos das principais revelações do clube, saber quais jogadores têm seus direitos econômicos fatiados e quem são os parceiros. Alguns dos membros do conselho também desejam esclarecer […]

Arquivo Publicado em 24/02/2014, às 12h46

None

Após os desdobramentos da venda de Neymar, conselheiros do Santos pressionam a diretoria para abrir o que chamam de caixa preta das categorias de base. Querem ver os contratos das principais revelações do clube, saber quais jogadores têm seus direitos econômicos fatiados e quem são os parceiros.

Alguns dos membros do conselho também desejam esclarecer se parte dos direitos econômicos de Gabriel foi dada como garantia na operação em que o grupo de investidores representados por Renato Duprat trouxe Leandro Damião para a Vila Belmiro.

Um requerimento já foi apresentado no Conselho Deliberativo pelo conselheiro Vagner Lombardi pedindo a exibição de documentos referentes aos jogadores da base.

Indagado pelo blog, o presidente em exercício, Odílio Rodrigues, demonstrou irritação por ter que tratar do assunto pela imprensa. “Esses documentos são públicos. O conselheiro que quiser ver para se informar, vai lá pede e vê. Não escondemos nada, vamos mostrar tudo que pedirem. Agora, quem quer tumultuar faz com que você faça o que está fazendo agora”, declarou o dirigente.

No entanto, conselheiros reclamam que a direção coloca obstáculos para que eles vejam alguns documentos. Citam como exemplo os contratos referentes à negociação de Neymar.

Paulo Schiff, presidente do Conselho Deliberativo, assegurou quea papelada pedida sobre os jovens jogadores serão exibidos. “É automático. É só pedir que é apresentado”, afirmou.

Em relação a Damião, Odílio negou que direitos econômicos de atletas da base tenham sido dados como garantia.

“Não é algo dessa diretoria, é histórico no Santos. Qualquer coisa que acontece no clube é motivo para negociarem direitos dos jogadores da base. Aí quando o atleta estoura, nós descobrimos que 40% é de um, 10% é de outro”, disse o conselheiro Orlando Rollo.

Jornal Midiamax