A prefeitura de Campo Grande conseguiu na Justiça o prazo de um ano para a instalação do viodemonitoramento de vias públicas da Capital. De acordo com o presidente do Conselho Comunitário de Segurança da Região Central, Adelaido Luís Villa, uma empresa de Cuiabá ganhou o processo licitatório e a prefeitura pediu o prazo de um ano para a instalação das câmeras.

“Essas são informações que eu recebi. Parece que ainda estão na justiça algumas questões legais sobre essa empresa que ganhou a licitação e impedem o trâmite do processo. Mas a prefeitura tem mais um ano de prazo para esse monitoramento”, comenta Adelaido.

Em junho desse ano foi suspenso o processo licitatório para o videomonitoramento na cidade. O pregão presencial nº 056/2013 foi aberto em 20 de maio de 2013 para ‘aquisição de monitoramento de vias públicas’. A instalação do sistema de viodemonitoramento tem como objetivo garantir a segurança no centro da cidade e também na periferia.

A assinatura do convênio com o Ministério da Justiça foi feita no dia 17 de dezembro, pelo então prefeito Nelsinho Trad (PMDB). Serão investidos R$ 1,9 milhão para instalar videomonitoramento e reequipar a guarda municipal da Capital.

O convênio garante R$ 1.057.333,32 para a compra de 14 motocicletas e 14 viaturas, bem como 400 uniformes para a guarda municipal. Os outros R$ 878.768,45 serão destinados para a compra de 22 câmeras e a instalação da central que funcionará junto ao prédio do IMTI (Instituto Municipal de Tecnologia da Informação).

A previsão é de que o videomonitoramento cubra o perímetro central, compreendido entre as ruas 26 de Agosto, Rui Barbosa, Orla Morena/Orla /Ferroviária, Rui Barbosa, região do entorno da Santa Casa e Feira Central. As câmeras são equipadas com zoom capaz de acompanhar o que acontece quatro quadras adiante.

Também estão programadas cinco câmeras em pontos críticos do trânsito, incluindo os cruzamentos das avenidas Mato Grosso com Via Parque; Afonso Pena com Rui Barbosa; Afonso Pena/Rubens Gil de Camillo e na avenida Eduardo Elias Zahran.