Geral

Paraguaios de Campo Grande comemoram dia da padroeira do Paraguai, Virgem de Caacupé

Os descendentes de paraguaios de Mato Grosso do Sul estiveram em festa neste domingo (8). Para comemorar o aniversário da Virgem de Caacupé – padroeira do país vizinho – os paraguaios e seus descendentes festejam com churrasco a data na Colônia Paraguaia, localizada na rua Ana Luiza de Souza, 668, Jardim Pioneiros, em Campo Grande. […]

Arquivo Publicado em 08/12/2013, às 18h30

None
42967885.jpg

Os descendentes de paraguaios de Mato Grosso do Sul estiveram em festa neste domingo (8). Para comemorar o aniversário da Virgem de Caacupé – padroeira do país vizinho – os paraguaios e seus descendentes festejam com churrasco a data na Colônia Paraguaia, localizada na rua Ana Luiza de Souza, 668, Jardim Pioneiros, em Campo Grande.

Cerca de 250 pessoas estriveram,no encontro que reuniu música, dança e fé. Antes dos festejos, diversos fiéis que alcançaram graças por meio da santa relataram suas histórias com emoção. A coordenadora da Colônia Paraguaia, Eliana Maria Andrade, conta que cada depoimento revela uma “prova concreta”’ da força da santa e da fé das pessoas em Nossa Senhora de Caacupé.

Ela mesma revela que seu neto, Juninho, foi agraciado com o poder de Nossa senhora. Segundo Eliana o menino nasceu de seis meses e o pulmão não estava maduro, o que fez todos acreditarem que o garotinho morreria. No entanto, depois de fazerem uma novena e pedirem a cura para a santa o menino ficou bem, e hoje já está com sete ano. “A santa o curou, ele está normal e não tem problema nenhum”, diz.

Ainda conforme a coordenadora o grupo de orações que começou com cinco pessoas hoje abriga 60 e até evangélico recebeu graça e se converteu ao catolicismo. “Veio uma senhora aqui, conheceu a virgem e fez um pedido. Ela recebeu a graça e hoje está conosco no gruop”, diz.

Quem também teve um parente salvo pelo poder da Virgem é Capitão Delamare. Ele conta que a bisneta nasceu com intestino sem funcionar, mas depois de a família ter feito a novena à Santa a criança foi curado e teve o intestino funcionando no dia do batismo.

Para Silvio Cantero, presidente da colônia, a importância dos depoimentos é mostrar a fé do povo paraguaio que é muito católico. “Muito importante, por isso o evento está dedicando boa parte de seu tempo a ouvir as pessoas contarem suas histórias”, diz.

Virgem de Caacupé

Por volta dos anos 1600, os índios Mbayaes perseguiam um índio de origem guarani, por serem de tribos inimigas e porque ele havia se convertido ao cristianismo. O índio guarani escondeu-se entre as folhagens de uma grande árvore, mas foi encurralado por seus oponentes. Diante da situação, pediu a proteção da Santíssima Virgem, prometendo, caso escapasse, esculpir uma imagem da Imaculada. Inexplicavelmente, viu-se livre. Os perseguidores não o encontraram.

Salvo e seguro, o índio, que era um exímio escultor, dedicou-se a cumprir sua promessa. Com a madeira daquela mesma árvore que lhe abrigou, esculpiu duas imagens da Imaculada: uma menor, para alimentar sua própria devoção, e outra maior, para a igreja do povoado de Tobatí.

Nada mais se sabe da imagem maior, a não ser que foi saqueada. Tampouco se conhece a sina do índio que a esculpiu tão devotamente. Acredita-se que ele tenha se afogado durante uma grande inundação no vale de Pirayú, em 1603. Mas, a imagem menor é venerada por milhares de fiéis até hoje.

A Virgem de Caacupê é considerada a padroeira do Paraguai e celebrada no dia 8 de dezembro. Todos os anos, milhares de peregrinos marcham para a cidade, em visita à Basílica de Nossa Senhora de Caacupê.

Oração

Santíssima Mãe de Deus e nossa, desde o vosso santuário de Caacupê, cubra com vosso manto protetor a todos vosso devoto. Protegei nossa santa Mãe, a Igreja, e alcançai luz aos magistrados para que façam justiça e haja paz entre os homens. Alcançai-nos também a graça maior na perseverança em nossa fé e vosso amor, para assim merecer a realização da promessa que nosso Senhor Jesus Cristo nos fez, quando disse: “aquele que perseverar até o fim, se salvará”. A vós, pois, Mãe querida, clamamos para que nos obtenha tão singular favor. Amém.

Jornal Midiamax