Geral

Islamitas egípcios rejeitam chamadas para participar de reconciliação

Os islamitas egípcios rejeitaram neste domingo participar de um processo de reconciliação nacional, após as chamadas feitas nas últimas horas pelo primeiro-ministro, Hazem el Beblaui, e o Governo, que foram qualificados de “ilegítimos”. O porta-voz da islamita Coalizão Nacional para a Defesa da Legitimidade, Ahmed al Mashar, disse à Agência Efe que os seguidores do […]

Arquivo Publicado em 21/07/2013, às 17h07

None

Os islamitas egípcios rejeitaram neste domingo participar de um processo de reconciliação nacional, após as chamadas feitas nas últimas horas pelo primeiro-ministro, Hazem el Beblaui, e o Governo, que foram qualificados de “ilegítimos”.


O porta-voz da islamita Coalizão Nacional para a Defesa da Legitimidade, Ahmed al Mashar, disse à Agência Efe que os seguidores do deposto presidente Mohammed Mursi não responderão a essas chamadas até que seja restabelecido “o regime legítimo”.


“É cedo ainda para falar de reconciliação nacional, já que primeiro é preciso recuperar o regime legítimo, e nem o Governo atual nem seu primeiro-ministro são”, afirmou Mashar, cuja formação é integrada por vários grupos islamitas, entre eles os Irmandade Muçulmana.


O novo Exército egípcio se comprometeu hoje a seguir adiante com os esforços para conseguir uma reconciliação nacional, sem excluir ninguém, na primeira reunião após sua formação nesta semana, enquanto ontem Beblaui considerou que o consenso é necessário para que o gabinete de transição tenha êxito.


A Irmandade Muçulmana, formação à qual pertenceu Mursi até chegar à Presidência, divulgaram neste domingo um comunicado no qual apresentaram um plano de três pontos para sair da crise atual.


Como primeira medida propõem restaurar “a legitimidade constitucional, o presidente, a Constituição e o Parlamento”, em respeito à vontade do povo egípcio.


Após esses passos, a Irmandade sugere que Mursi inicie uma reforma da Carta Magna, que deverá ser colocada no poder legislativo e que terá que ser submetida a um referendo popular.


A terceira medida seria iniciar um diálogo nacional, que reúna todas as forças políticas, para falar sem limite de todas as exigências de cada grupo. O que fosse acordado seria obrigatório para todos.


O Egito vive atualmente uma etapa de transição, depois do Exército depor Mursi em 3 de julho, após a realização em 30 de junho de grandes protestos que exigiam eleições presidenciais antecipadas

Jornal Midiamax