Geral

Após operação do Gaeco em MS, secretário de saúde e chefe de gabinete são exonerados

O secretário de Saúde, Francisco de Assis Honorato e a chefe de gabinete do prefeito Darcy Freire (PDT) e ex-prefeita, Nair Branti (PDT) foram exonerados da prefeitura de Douradina – distante a 104 km de Campo Grande. As exonerações foram publicadas no jornal douradense O Progresso na quarta-feira (27/11). Além disso, contratos com a Drogaria […]

Arquivo Publicado em 04/12/2013, às 12h10

None

O secretário de Saúde, Francisco de Assis Honorato e a chefe de gabinete do prefeito Darcy Freire (PDT) e ex-prefeita, Nair Branti (PDT) foram exonerados da prefeitura de Douradina – distante a 104 km de Campo Grande. As exonerações foram publicadas no jornal douradense O Progresso na quarta-feira (27/11). Além disso, contratos com a Drogaria Douradina também foram suspensos. A prefeitura foi alvo no último dia 20 de novembro da Operação Pactum Sceleris, ou Pacto do Crime, realizada pelo Gaeco (Grupo de Repressão ao Crime Organizado).

Conforme o ato oficial, as exonerações foram feitas a pedido dos servidores e por motivos diferentes. O secretário de saúde, assim como outros servidores, foi preso após a confirmação de fraudes em vários setores da administração municipal.

Já Nair – a ex-prefeita que trabalhava como chefe de gabinete do atual prefeito – justificou o pedido de exoneração, alegando que sua aposentaria do cargo de professora concursada pelo Estado, foi publicada no diário oficial no dia 20 de novembro – coincidentemente no mesmo dia da batida da polícia – fato que interromperia sua cedência a prefeitura.

Apesar das prisões, inclusive do genro de Darcy, o prefeito continua no cargo. Um pedido de afastamento, feito pelo promotores de Justiça do MPE (Ministério Público Estadual), Romão Ávila Milhan Júnior e Luiz Gustavo Camacho Terçariol, solicitaram judicialmente uma medida cautelar de afastamento do prefeito ainda não houve resposta.

Jornal Midiamax