Geral

80% dos servidores do Judiciário aderem à paralisação em Dourados

Cerca de 80% servidores do Poder Judiciários de Dourados aderiram à paralisação que acontece nesta quarta-feira (03) em diversas cidades do Mato Grosso do Sul, para exigir melhores condições de trabalho. A mobilização atingiu também alguns cartórios e varas de justiça da cidade. Desde às 12h os servidores estão protestando em frente ao Fórum de […]

Arquivo Publicado em 03/07/2013, às 17h13

None
108368677.jpg

Cerca de 80% servidores do Poder Judiciários de Dourados aderiram à paralisação que acontece nesta quarta-feira (03) em diversas cidades do Mato Grosso do Sul, para exigir melhores condições de trabalho. A mobilização atingiu também alguns cartórios e varas de justiça da cidade.


Desde às 12h os servidores estão protestando em frente ao Fórum de Dourados. “A categoria está unida, nós queremos conscientizar a sociedade da desigualdade que existe, pois os magistrados e os servidores do administrativo deveriam ser tratados da mesma forma, e não são. Lutamos pela isonomia dos direitos”, disse o secretário do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul (Sindijus) em Dourados, Alessandro Paiva Aguiar.


Segundo o Sindijus existem inúmeras reivindicações, a começar pelo desvio de funções. Há três anos, funcionários que exerciam serviços gerais, sem exigência de ensino superior, atuam como analista judiciário como se fossem bacharéis de Direito após a contratação de firma terceirizada para limpeza das entidades.


“Outra reclamação é quanto ao adicional de tempo de serviço, que há 14 anos está na Justiça e não é cumprido, enquanto os magistrados recebem retroativo desde 1994”.


Os trabalhadores também estão lutando para que o Conselho Nacional de Justiça autorize que os cargos de operadores judiciários se tornem de analistas judiciários.


O protesto também luta contra o fechamento de comarcas do interior; auxílio alimentação para servidores aposentados, já que os magistrados aposentados recebem e eles não; e um tratamento mais igualitário.


Amanhã acontecerá uma assembleia geral com os manifestantes para decidir se a paralisação se prolongará por mais tempo ou termina hoje. As audiências marcadas para acontecer no Fórum estão acontecendo normalmente.

Jornal Midiamax