Geral

PF investiga distribuição de cópias de jornal em universidade contra candidato

A Polícia Federal foi acionada na manhã desta terça-feira (18) para investigar distribuição de cópias de jornais com matérias contra o candidato à Prefeitura de Campo Grande, deputado estadual Alcides Bernal (PP). Segundo denúncia feita ao TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), um estudante de uma universidade em Campo Grande estaria distribuindo […]

Arquivo Publicado em 18/09/2012, às 17h13

None
1037115674.jpg

A Polícia Federal foi acionada na manhã desta terça-feira (18) para investigar distribuição de cópias de jornais com matérias contra o candidato à Prefeitura de Campo Grande, deputado estadual Alcides Bernal (PP).


Segundo denúncia feita ao TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), um estudante de uma universidade em Campo Grande estaria distribuindo cópias de matérias contra o candidato do PP, publicadas em dois jornais diários do Estado.


Após a denúncia, o TRE acionou a Polícia Militar, que foi até o local e em flagrante apreendeu o rapaz, levando-o para prestar esclarecimentos na Polícia Federal. Na PF, dois amigos do estudante, que se dizem advogados, afirmaram que o aluno estava apenas discutindo as informações das matérias.


“Ele estava apenas discutindo o assunto com outras pessoas, nada demais!”, disse um dos colegas que não quis se identificar. Entretanto, segundo a assessoria jurídica de Bernal, o rapaz que foi apreendido é filiado há cinco anos ao PMDB, partido do candidato governista e deputado federal Edson Giroto.


“A questão que queremos saber é a mando de quem esse estudante estava distribuindo esses panfletos, qual o interesse e por quê?”, questionou a assessoria.


Ataque contra Bernal


No programa eleitoral da segunda-feira (17), o candidato do PSOL, professor Sidney Melo, mostrou o presidente da Cooperativa de Condutores Autônomos Rodoviários (Coopertaxi), Flávio Panissa, que falou sobre ação na Justiça contra Bernal e o ex-presidente da entidade, Waltrudes Pereira Lopes. Ele os acusou de tentar fraudar a cooperativa, cobrando dívida supostamente inexistente de pouco mais de R$ 106 mil.


Ainda na segunda-feira, os advogados do candidato da coligação “A Força da Gente” ingressaram com representação por propaganda eleitoral irregular com pedido de liminar. A intenção é suspender a exibição do material por desrespeito ao artigo 53 da lei 9.504. “A legislação veda propaganda que ridicularize o candidato”, frisou o advogado Lênio Ben Hur.


Jornal Midiamax