Geral

Pesagem do UFC Rio 3 tem provocação, brincadeira e ‘grito de morte’

O público na HSBC Arena não perdoou os lutadores estrangeiros que estarão no UFC Rio 3. Na tarde desta sexta-feira, durante a pesagem para o evento marcado para este sábado, no Rio de Janeiro, a torcida voltou a repetir o já tradicional grito de “uh, vai morrer” para os adversários dos atletas nacionais, especialmente Stephan […]

Arquivo Publicado em 12/10/2012, às 19h07

None

O público na HSBC Arena não perdoou os lutadores estrangeiros que estarão no UFC Rio 3. Na tarde desta sexta-feira, durante a pesagem para o evento marcado para este sábado, no Rio de Janeiro, a torcida voltou a repetir o já tradicional grito de “uh, vai morrer” para os adversários dos atletas nacionais, especialmente Stephan Bonnar, rival de Anderson Silva no principal duelo da noite. A cerimônia que antecede o dia dos combates foi marcada também por provocações e uma brincadeira em especial.

A grande atração da pesagem desta sexta-feira ficou por conta do meio-pesado Wagner Prado. Revelado para o mundo das lutas depois de participar do programa de Luciano Huck, na Rede Globo, “Caldeirão”, alcunha recebida após a aparição na emissora carioca, brincou com o adversário Phil Davis, quem já enfrentara em agosto, em duelo sem resultado por conta de uma dedada do americano no olho do brasileiro.

Depois de passar pela balança e ser aprovado no limite dos 93 kg da divisão dos meio-pesados, Caldeirão esperou o adversário com a mão no rosto, simulando uma defesa contra o “golpe”. Phil Davis, sorridente, entrou no clima proposto pelo brasileiro e ameaçou novamente acertar o brasileiro no olho. Ambos os atletas, e especialmente o presidente Dana White, riram muito da situação, que tornou o evento muito mais leve.

No primeiro encontro entre atletas nesta sexta-feira, o clima da pesagem já transformou o ambiente de euforia em guerra. O brasileiro Cristiano Marcelo, participante da 15ª edição do reality show The Ultimate Fighter, e o iraniano Reza Madad, que trocaram provocações durante a semana, por pouco não iniciaram o confronto no palco armado para a pesagem.

Dana White, vestido com uma camiseta que relembra o histórico confronto entre Hélio Gracie e Masahiko Kimura (duelo entre o jiu-jitsu da família brasileira e o tradicional judô japonês), precisou apartar os dois lutadores. Outro confronto marcado pela tensão na pesagem foi entre Fábio Maldonado e Glover Teixeira, este, apontado como uma grande revelação brasileira para a divisão dos meio-pesados.

A torcida carioca concentrou com maior destaque as vaias para dois lutadores: Dave Herman e Stephan Bonnar, adversários de Rodrigo Minotauro e Anderson Silva, nos dois principais duelos da noite. Herman ignorou completamente a hostilidade do público brasileiro e não mudou o semblante sério desde o momento que entrou na arena até a encarada diante do veterano representante nacional, um dos mais ovacionados.

Já Stephan Bonnar mostrou o lado provocador. Antes de subir para se pesar, o meio-pesado americano pediu para o público aumentar o volume das vaias, e foi atendido. Sobre a balança, o ¿Psicopata americano¿, como é apelidado, fez pose e encarou com naturalidade a torcida contrária. Bonnar só deixou o sorriso de lado no momento em que encarou (respeitosamente, diga-se de passagem) Anderson Silva.

Jornal Midiamax