Geral

Operação Sentinela apreende 100 mil pacotes de cigarros ilegais no Paraná

A FNSP (Força Nacional de Segurança Pública), em conjunto com a PF (Polícia Federal), interceptou uma carga de 100 mil pacotes de cigarros vindos do Paraguai. Os motoristas dos dois caminhões fugiram no momento da abordagem. Um dos deles, um Ford Cargo branco, foi abandonado na pista e o outro, um Scania vermelha, caiu num […]

Arquivo Publicado em 05/03/2012, às 21h02

None

A FNSP (Força Nacional de Segurança Pública), em conjunto com a PF (Polícia Federal), interceptou uma carga de 100 mil pacotes de cigarros vindos do Paraguai. Os motoristas dos dois caminhões fugiram no momento da abordagem. Um dos deles, um Ford Cargo branco, foi abandonado na pista e o outro, um Scania vermelha, caiu num barranco. Ninguém foi preso. A ação policial ocorreu, domingo (4), na saída do município de Icaraima, localizado no noroeste do estado, próximo à fronteira com Paraguai.

As apreensões de cigarros, assim como bebidas, remédios e suplementos alimentares, impedem que produtos fora do controle sanitário brasileiro, ou que causam dados à saúde, sejam comercializados no país. Laudo elaborado pela Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná), a pedido da PF, mostra uma situação grave. Em cigarros de cinco marcas frequentes entre mercadorias contrabandeadas e apreendidas na fronteira com o Paraguai, encontram-se resíduos de plástico, fragmentos de metais, algodão e restos de insetos.

Roupas contrabandeadas


Uma barreira da Força Nacional de Segurança Pública em Rorainópolis (RR), município próximo a fronteira com a Guiana, apreendeu, na segunda-feira (5), 23 fardos, contendo aproximadamente 180 peças de roupas sem documentação, indicando contrabando. O material vinha de confecções na Guiana Inglesa. O veículo que transportavam a carga ficou retido na base da Força Nacional junto com o condutor para serem encaminhadas as autoridades do estado.

As duas ações são resultado da Operação Sentinela, realizada desde 8 de junho pelo governo federal dentro do Plano Estratégico de Fronteiras. As ações se dão baseadas na inteligência e na atuação conjunta da Força e das Polícias Federal e Rodoviária Federal, além da Secretaria Nacional de Segurança Pública. Há também integração com as Forças Armadas (Ministério da Defesa), responsáveis pela Operação Ágata.

Jornal Midiamax