Geral

Morar Mais apresenta ideias sustentáveis em Campo Grande

Entre os desafios propostos para os 93 profissionais presentes no Morar Mais por menos, evento de arquitetura, decoração e paisagismo, que fica aberto até 30 de novembro em Campo Grande, está o de criar projetos com soluções sustentáveis para residências e ambientes corporativos. Na primeira edição da mostra em Campo Grande, localizada na Rua da […]

Arquivo Publicado em 25/10/2012, às 18h18

None

Entre os desafios propostos para os 93 profissionais presentes no Morar Mais por menos, evento de arquitetura, decoração e paisagismo, que fica aberto até 30 de novembro em Campo Grande, está o de criar projetos com soluções sustentáveis para residências e ambientes corporativos.



Na primeira edição da mostra em Campo Grande, localizada na Rua da Paz, 342, os visitantes encontram diversos espaços com produtos ecologicamente corretos, madeira de reflorestamento, revestimentos desenvolvidos com itens reciclados e móveis de madeira de demolição, comprovando que é possível aliar o conceito de sustentabilidade com conforto e requinte.



Na Garagem da mostra, idealizada por Miralba Moraes, Joana Moraes e Artur Moraes, o piso foi desenvolvido com entulhos de obra e pneus, parte do teto do ambiente foi montado com telhas translúcidas possibilitando o aproveitamento da luz natural e gerando economia de energia, e o mobiliário é confeccionado de mdf cru de reflorestamento.



A madeira pinus de reflorestamento aparece em vários locais. Na Suíte Pantaneira, de Gleiner Rocha, foi aplicada como piso. Na casa que contém apenas projetos residenciais, ela é a principal matéria-prima da fachada Califórnia, projetada por Gil Carlos de Camillo. A Casa da Árvore, de Lilian Basso e Marcos Antonio Medina, também foi produzida com esse material rústico e natural, assim como a Sala de Estar da Caixa, idealizada por Melissa Paula Godoy, Samária Rosa, Vanessa Froeder e Thais de Lima Franco, que ainda utilizou esteiras de palha como forro da cobertura podendo ser reaproveitada em outras obras.



Outra madeira, o eucalipto tratado, se faz presente no teto da Varanda Campo Grande, criada por Ângela Gil Lins e Joisy Nicolatti, que recebeu telha de material reciclado e o forro de bambu para dar acabamento e o isolamento acústico da cobertura. Ainda pensando na sustentabilidade do projeto, as profissionais reciclaram restos de madeira para confeccionar a mesa de jantar que pode acomodar até oito pessoas. No estar da varanda, os pufes foram feitos de pneus usados e revestidos com cordas.



A reciclagem pode ser vista no Lavabo da Artista, produzido por Andressa Okumoto e Rayanne Guimarães, que adotou um caixote de feira, lixado e envernizado, como revisteiro do ambiente. No Ateliê da Artista, de Ana Ruas o reaproveitamento é visto em todos os cantos, a exemplo do banquinho dos pedreiros transformado em aparador, garantindo personalidade ao espaço. Na Horta Vertical, de Priscilla Gonçalves, Aline Sanabria, Fabricia Torquato, os temperos e ervas ficam suspensos em cachepós produzidos com madeira reutilizada. O ambiente ainda apresenta como solução inventiva uma corrente de moto para suspender prateleiras.



Entre os espaços comerciais, a Joalheria Riquezas Naturais, de Carollyne Cunha, Erica Nantes, Pedro Perez e Rodolpho Rabelo, apresenta o conceito rústico sofisticado com troncos de árvores brutos como base para joias.



No Recanto do Poeta, os profissionais Hézio de Paula, Maria Fontoura, Kamylle Versetti, Fred Lei e Stephan Hoffman expressam sua criatividade ao aproveitarem resíduos de madeira elaborando um mosaico no teto com pequenos pedaços descartados pelas marcenarias da Capital. Outras peças do ambiente, como a árvore e banco, também foram confeccionadas com sobras da matéria prima.



No Restaurante da mostra, as arquitetas Luciana Texeira e Ana Paula Zahran se preocuparam com a economia de energia, através do projeto de eficiência energética desenvolvido pelo SESC/MS. Além disso, toda madeira do espaço é certificada, como a que reveste o balcão do ambiente, e reciclada de demolição, como as usadas nas mesas. A chapa de OSB que reveste as paredes é uma referência de produto eco-sustentável e muito econômico.



Morar Mais por menos Campo Grande



Até o dia 30 de novembro, os sul-mato-grossenses poderão conhecer o Morar Mais por menos, evento de decoração, arquitetura e paisagismo que tem em seu DNA os conceitos: brasilidade, sustentabilidade, inclusão social, customização e tecnologia e inovação, e vendas. Tudo aplicado com muito bom gosto e preocupação com a economia. Noventa e três profissionais, entre arquitetos, decoradores, designers de interiores e paisagistas, apresentam suas ideias em 55 ambientes distribuídos em uma área de aproximadamente 5.350m².



Serviço



A Mostra acontece até 30 de novembro, na Rua da Paz, n° 342. O funcionamento é de terça a domingo, das 16h às 22h. O valor da entrada na bilheteria do evento é de R$ 20. Estudantes e professores com carteirinha pagam meia entrada, assim como idosos. Os ingressos também podem ser comprados no Shopping Campo Grande pelo valor de R$ 17, nesse caso sem desconto.


Jornal Midiamax