Geral

Dados da Abraf mostram evolução da silvicultura no país

Dados da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (Abraf), inseridos anuário estatístico de 2011, constatam o aumento significativo da participação da silvicultura na produção madeireira nacional. Segundo a Abraf, o Brasil tem 7 milhões de hectares de florestas plantadas, dos quais 69,6% são plantios de Eucaliptos; 23,4% de pinus; e 7% plantios de outros […]

Arquivo Publicado em 06/12/2012, às 13h07

None

Dados da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (Abraf), inseridos anuário estatístico de 2011, constatam o aumento significativo da participação da silvicultura na produção madeireira nacional.


Segundo a Abraf, o Brasil tem 7 milhões de hectares de florestas plantadas, dos quais 69,6% são plantios de Eucaliptos; 23,4% de pinus; e 7% plantios de outros gêneros.


Os dados indicam que de um total de 139,9 milhões de metros cúbicos produzidos de madeira em tora, em 2011, 89,9% são oriundos das florestas plantadas e apenas 10,1% do extrativismo vegetal.


A produção de madeira em tora destinada para papel e celulose contribuiu com 60,3% no total obtido pela silvicultura. Já a produção de carvão vegetal alcançou 5,478 milhões de toneladas, das quais 75,3% foram produzidas pela silvicultura e apenas 24,7%, pela extração vegetal.


Na participação da produção de lenha, o extrativismo vegetal colaborou com 42,1%, de um total de 89,3 milhões de metros cúbicos, contra 57,9% da silvicultura.


No outro extremo, vem caindo a participação dos principais produtos madeireiros da extração vegetal, com destaque para o carvão e a lenha, que apresentaram decréscimo em suas produções (10,1% e 1,7%, respectivamente) quando comparados com as obtidas no ano anterior.


Segundo a pesquisa do IBGE, tais quedas estão diretamente relacionadas à atuação de órgãos fiscalizadores e ambientais. Apesar dessa fiscalização, a quantidade de madeira em tora foi 11,5% superior à do ano anterior. O IBGE ressalta, porém, que o crescimento reflete “a liberação para corte em áreas de manejo florestal e em áreas que serão alagadas por represas.”

Jornal Midiamax