Geral

Corumbaenses recebem orientações sobre prevenção às hepatites virais

Antecipando o “Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais”, lembrado a cada 28 de julho, a Secretaria de Saúde de Corumbá, realizou na manhã desta sexta-feira, 27, ação com objetivo de informar o cidadão sobre a doença. O local escolhido foi a área central da cidade, por onde circula grande número de pessoas. No […]

Arquivo Publicado em 27/07/2012, às 20h41

None

Antecipando o “Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais”, lembrado a cada 28 de julho, a Secretaria de Saúde de Corumbá, realizou na manhã desta sexta-feira, 27, ação com objetivo de informar o cidadão sobre a doença. O local escolhido foi a área central da cidade, por onde circula grande número de pessoas.

No Jardim da Independência, foram expostos cartazes e faixas informativas, além de um estande onde os profissionais da saúde explicavam a necessidade da prevenção e tiravam dúvidas da população que ainda recebia preservativos.

Com a participação do grupo de teatro do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), uma esquete foi apresentada mostrando as formas de prevenção da doença. No cruzamento das ruas Frei Mariano e 13 de Junho, motoristas e pedestres eram abordados numa blitz e recebiam também o material informativo e orientações sobre como se protegerem da hepatite.

“Um das formas de transmissão das hepatites, principalmente, B e C, que causam maiores problemas para o ser humano é através do sexo sem proteção e de sangue contaminado. As hepatites são doenças que podem levar à morte porque a longo prazo, se ela se tornar crônica pode levar à cirrose hepática, ao câncer de fígado”, esclareceu o médico José Márcio Martins Faria, coordenador municipal do programa DST’s-Aids e que, agora, agregou a tutela das Hepatites Virais.

Ele comentou que como as formas de transmissão entre essa doenças são bem similares, por orientação do Ministério da Saúde, as hepatites virais passam a ser encaradas como DST’s. José Márcio lembrou que, em muitos casos, os sintomas da doença (icterícia, que é o amarelamento da pele e da mucosa, dores no corpo, náuseas, vômitos e febre) não são manifestados ou percebidos, levando a classificar a hepatite viral como uma “doença silenciosa”.

“Por isso, a importância que as pessoas façam o teste”, disse ao falar do exame médico que, hoje, tem o diagnóstico feito em Campo Grande, porém, em breve, deverá ser realizado no próprio município com a ampliação do laboratório.

“Em breve, a gente, no Centro de Saúde João de Brito, que é a referência aqui em Corumbá, nos tratamentos das hepatites, vamos disponibilizar o teste. Nosso laboratório está sendo reformado e após isso, vamos fazer o exame aqui mesmo. Hoje, ele é encaminhado para Corumbá. Acredito que, antes do final do ano, o diagnóstico já saia aqui pela cidade”, avisou.

Jornal Midiamax