Geral

Candidatos da oposição a prefeito de Campo Grande denunciam governador à OAB por abuso de poder

Os seis candidatos a prefeito da Capital pela oposição foram, na manhã desta sexta-feira (24), à Ordem dos Advogados do Brasil seccional de Mato Grosso do Sul (OAB-MS) oficializar denúncia contra o governador André Puccinelli (PMDB) por coação de servidores e abuso de poder. Eles aproveitaram para pedir empenho da entidade na fiscalização das eleições […]

Arquivo Publicado em 24/08/2012, às 14h38

None
1946575044.jpg

Os seis candidatos a prefeito da Capital pela oposição foram, na manhã desta sexta-feira (24), à Ordem dos Advogados do Brasil seccional de Mato Grosso do Sul (OAB-MS) oficializar denúncia contra o governador André Puccinelli (PMDB) por coação de servidores e abuso de poder. Eles aproveitaram para pedir empenho da entidade na fiscalização das eleições e ganharam o compromisso do presidente da Ordem, Leonardo Duarte, de combater irregularidades no pleito.


A medida dos candidatos ocorreu em resposta a vídeo publicado pelo Midiamax, que mostra Puccinelli coagindo servidores a votar nos candidatos governistas. “O que o Midiamax publicou todo mundo já sabia. O governador direciona o voto dos funcionários e, inclusive, tenta mudar o voto de alguns, tirando a liberdade de expressão garantida pela Constituição Federal”, afirmou o candidato a prefeito pela coligação “Novo Tempo”, Reinaldo Azambuja (PSDB).


Com o apelo à OAB, Azambuja espera garantir equilíbrio na disputa eleitoral. “Confiamos na Ordem e pedidos que ela aprofunde as investigações, porque é clara a prática de coação no vídeo”, frisou. Ele ainda ressaltou que em “toda a cidade o comentário é de que as reuniões com servidores são frequentes e envolvem funcionários de todas as secretarias”.


Candidato a prefeito pelo PT, Vander Loubet reforçou que o governador vem “violando a Constituição ao exigir saber em quem os servidores votam”. “Estamos aqui para pedir à OAB o acompanhamento do pleito para garantir eleições limpas e livres”, disse.


Sidney Melo, candidato a prefeito pelo PSOL, aproveitou o encontro para rebater a desculpa de Puccinelli de que a reunião seria “um encontro de amigos”. “Se realmente fosse uma reunião entre amigos não haveria alguém para filmar e denunciar o encontro à imprensa”, ponderou.


Representando o candidato Marcelo Bluma (PV), Sérgio Lacerda apelou para a OAB comandar campanha para “acabar ou extinguir os cargos comissionados” e Suél Ferranti (PSTU) mostrou sua indignação dizendo ser “cético quanto à punição a Puccinelli por coagir servidores”. Candidato a prefeito pelo PP, Alcides Bernal engrossou o discurso em reprovação a atitude do governador.


Leonardo Duarte se comprometeu a combater irregularidades na campanha e informou já ter recebido seis pedidos de providência contra a prática de coação de servidores por parte do governador. Ele garantiu remeter as denúncias às autoridades competentes e acompanhar o caso para garantir o andamento do processo. “Vamos fazer de tudo para cumprir a confiança a nós depositada de participar de um processo democrático e transparente”, prometeu.

Jornal Midiamax