Geral

Azambuja defende desoneração tributária para reduzir valor do transporte coletivo

Candidato a prefeito pela Coligação Novo Tempo (PSDB, PPS, PTN, PMN e PHS), Reinaldo Azambuja anunciou na quinta-feira (26) que o sistema de transporte coletivo em Campo Grande será objeto de profundo estudo e mudanças para que passe a atender a população com qualidade, segurança e preço justo.  Para ele, os problemas enfrentados não devem […]

Arquivo Publicado em 27/07/2012, às 13h36

None
1061282260.jpg

Candidato a prefeito pela Coligação Novo Tempo (PSDB, PPS, PTN, PMN e PHS), Reinaldo Azambuja anunciou na quinta-feira (26) que o sistema de transporte coletivo em Campo Grande será objeto de profundo estudo e mudanças para que passe a atender a população com qualidade, segurança e preço justo.  Para ele, os problemas enfrentados não devem ser creditados apenas às concessionárias, mas também à prefeitura.


“O trânsito em Campo Grande carece de investimentos, mas também de planejamento, já que situações totalmente absurdas vêm sendo criadas pela prefeitura. A engenharia de trânsito deixa muito a desejar”, disse Azambuja. Ele citou, para ilustrar essas situações, a construção de rotatórias ao invés de se optar pela implantação de viadutos.


“O interesse que deve prevalecer sempre é o da maioria. Vamos construir viadutos na Avenida Gury Marques e na esquina da Avenida Mato Grosso com a Via Park. Temos que desafogar o trânsito para que os ônibus possam circular em velocidade acima de 18 quilômetros por hora, que é a média atual”, argumentou.


Para o candidato, o aumento da velocidade só ocorrerá se existirem corredores exclusivos para os ônibus. “Tanto a criação desses corredores quanto a organização do trânsito, bem como a instalação de pontos de embarque e desembarque, são de responsabilidade da prefeitura e são elementos que ajudam a melhorar o transporte público. E é por isso que estamos propondo e vamos viabilizar o melhor transporte público que a nossa Campo Grande já teve”, garantiu.


Com relação ao elevado valor da tarifa, Azambuja disse que o bom administrador deve buscar alternativas, envolvendo na discussão todos os envolvidos. “Vamos ouvir a população, as concessionárias. Vamos ainda estudar a desoneração tributária municipal e buscar do governo do Estado a redução da alíquota do ICMS sobre o óleo diesel utilizado pelas empresas, já que esse combustível representa quase 50% dos insumos que formam o valor da tarifa e está hoje no índice de 17%”, destacou.


Já a modernização do sistema, de acordo com Azambuja, será incentivada e cobrada das concessionárias em sua administração. “Tudo o que for positivo, tanto para reduzir o valor da tarifa para a população quanto para melhorar o sistema, nós iremos buscar”, garantiu. Quanto às gratuidades, ele disse que todas elas serão mantidas, pois se trata de conquistas da sociedade.

Jornal Midiamax