Será realizada neste sábado (5) em 5.380 municípios brasileiros a segunda fase da 7ª Obmep (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas). O evento começará às 14h30 (horário de Brasília) e reunirá 818.522 estudantes dos ensinos fundamental e médio, classificados na primeira fase do certame, em agosto passado. No total,  a 7ª Obmep recebeu 18.719.916 inscrições de 44.691 escolas públicas.

Ao contrário da primeira fase, quando foram feitas provas de múltipla escolha, a de hoje é discursiva, será realizada em 8.685 centros de ensino e determinará os vencedores desta edição, disse à Agência Brasil a coordenadora-geral da Olimpíada, Mônica de Souza. “As provas serão corrigidas regionalmente e depois, a partir de uma nota de corte, haverá uma segunda correção, ou seja, uma correção unificada, com vistas à premiação”.

Mônica esclareceu que essa prova ocorre simultâneamente em todo o país. “É uma prova dissertativa, em que os alunos devem mostrar todo o raciocínio e entendimento que tiveram. Já não é mais uma prova com múltipla escolha”.

A olimpíada serve de estímulo ao estudo da matemática para os alunos brasileiros, ressaltou. “A gente já está na sétima edição e vemos que cada vez mais há um interesse muito grande dos alunos, principalmente porque os premiados têm a oportunidade de participar do Programa de Iniciação Científica Júnior”. Atualmente, 3.200 estudantes participam do programa. “Nós temos uma demanda muito grande e esse é o nosso objetivo: que o interesse pelo estudo da matemática se difunda”.

Após um processo seletivo e uma preparação específica, os melhores alunos da olimpíada são levados a participar de certames internacionais. Mônica de Souza revelou que este ano três alunos da Obmep representaram o Brasil na Olimpíada Internacional de Matemática, trazendo para o país duas medalhas de prata e uma de bronze.

A coordenadora destacou a importância do evento para o futuro dos estudantes das escolas públicas, na medida em que o estudo da matemática abre perspectivas de melhoria no mercado de trabalho. Nesse sentido, citou o Programa de Iniciação Científica-Mestrado (Picme), que entra em sua terceira edição e se destina aos  alunos que já foram medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), voltada para estudantes de escolas particulares, ou da Obmep.

“Se estiver fazendo uma graduação, ele pode procurar a sua universidade para desenvolver um programa de iniciação científica e também de mestrado. Quer dizer, há um acompanhamento desse aluno, depois que ele sai desse período de público-alvo da Obmep. A intenção é que tenha um acompanhamento constante”. Cerca de 400 a 500 alunos já passaram pelo Picme. “Não importa a área em que ele (o estudante) esteja. O importante é que tenha formação sólida em matemática. A gente acredita que isso contribui tanto para a vida quanto para a carreira dele, de maneira geral”.

Os  vencedores da segunda fase da 7ª Obmep serão conhecidos na primeira semana de fevereiro de 2012. A premiação deverá ocorrer no primeiro semestre do próximo ano. A olimpíada é  promovida pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação e realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura Aplicada (Impa), com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM). No ano passado, a cerimônia de premiação da 6ª Obmep contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Na ocasião, a presidenta elogiou a garra, o empenho e a dedicação dos 3,2 mil estudantes medalhistas da Obmep, representados na solenidade pelos 504 vencedores na categoria ouro. Dilma entregou 21 medalhas de ouro aos penta e tetracampeões da olimpíada, incluindo a única aluna deficiente visual do certame, Laura Ribeiro Franco.

Serão premiados 500 alunos com medalhas de ouro, 900 com medalhas de prata, 1.800 com medalhas de bronze e 30 mil com certificados de menção honrosa. A Obmep premia também 127 professores das escolas públicas, de acordo com o desempenho de seus alunos, além das escolas e secretarias de Educação dos municípios.